Base de Temer evita anunciar voto

Planos de saúde perdem clientes, mas lucro sobe 66%

Empresas alegam que enfrentam alta insustentável de custos e cobram menor regulação do setor. Para a Agência Nacional de Saúde Suplementar, tendência é que somente a elite tenha acesso ao serviço.

Mais de 1,5 milhão de brasileiros deixaram de ter plano de saúde no ano passado por causa da crise e do desemprego. Mesmo assim, as operadoras aumentaram seus ganhos: a receita do setor subiu 12% e o lucro teve salto de 66% no período. Para especialistas, a fórmula para obter resultados positivos é repassar a conta para o consumidor. Há casos de planos de saúde coletivos — que hoje representam 80% do mercado — com reajustes na mensalidade de até 40%. Nos planos individuais, que têm aumentos regulados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), a alta foi de 13,55%. As empresas alegam que enfrentam uma escalada de custos médicos e hospitalares. Para resolver o impasse, as operadoras propõem regulação ainda menor do setor, com reajuste baseado na alta de custos e redução da cobertura. Para Leandro Fonseca da Silva, diretor-presidente substituto da ANS, a tendência é que plano de saúde se torne serviço de elite. 

====

 Infraero vê sobrepreço em obras de Cumbica e Viracopos

Estatal constatou ter pago R$ 1,3 bilhão a mais em projetos realizados por concessionárias nos aeroportos

Em análise técnica dos contratos que firmou para execução de obras de expansão dos aeroportos de Guarulhos e Viracopos, a Infraero constatou que pode ter pago R$ 1,316 bilhão a mais em relação aos preços reais. A estatal federal, que é dona de 49% das concessionárias que administram os dois aeroportos, encaminhou os documentos ao Tribunal de Contas da União (TCU). A suspeita é de que parte desses projetos foi superfaturada. Em Cumbica (Guarulhos), o conjunto de obras realizadas na fase inicial da concessão somou R$ 2,132 bilhões. Ao analisar os custos dessas obras no mercado, porém, a Infraero concluiu que o valor das obras seria de R$ 1,7 bilhão, ou R$ 432 milhões a menos. Em Viracopos (Campinas), o contrato de R$ 2,843 bilhões foi avaliado pela Infraero em R$ 1,959 bilhão, uma diferença de R$ 884 milhões. Em julho de 2016, a Infraero foi acusada pelo TCU de adotar postura omissa nas contratações dos aeroportos concedidos nos quais detém participação: Guarulhos, Viracopos, Brasília e Galeão. 

====

Base de Temer evita declarar apoio em votação da denúncia

Em enquete da Folha com deputados, apenas 13% dos aliados dizem ser contra investigação do presidente

A base do governo na Câmara evita declarar apoio a Michel Temer (PMDB) na votação da denúncia criminal apresentada pela Procuradoria-Geral da República contra o presidente. A Folha procurou os 513 deputados após o Supremo Tribunal Federal receber a peça em que Temer é acusado de corrupção passiva no caso JBS e, na sequência, encaminhá-la ao Congresso. Segundo a acusação, o presidente seria o destinatário real de mala de R$ 500 mil de propina da empresa, e cabe à Câmara dar aval à abertura da ação penal. Na enquete, responderam que votarão contra a aceitação da denúncia 45 deputados, ou somente 13% da base de Temer, que tem 345. Nem no PMDB, seu partido, o presidente conta com apoio integral declarado. Ao todo, são 130 os que apoiam a investigação; 112 afirmaram não saber como votarão; 57 não se posicionaram; e 168 ignoraram contatos da reportagem. Vários disseram esperar a posição partidária para se definir. Rodrigo Maia (DEM), presidente da Câmara, não votará. São necessários os votos de 342 deputados (dois terços) para que a denúncia retorne ao Supremo.