Líderes querem reforma mínima da Previdência

GLOBO

Guerra na Rocinha tem mais mortes e escolas fechadas

Câmara cria comissão de juristas para endurecer leis de combate ao crime.
Grupo será coordenado pelo ministro Alexandre de Moraes, do STF, e vai propor alterações na legislação; Rodrigo Maia fala em acelerar votação de projetos na Casa.
Moradores da Rocinha viveram ontem o terceiro dia seguido de tiroteios na comunidade. De manhã, dois homens foram mortos, totalizando nove vítimas em três semanas. Por causa do clima de medo na guerra entre traficantes, nove escolas suspenderam as aulas para três mil alunos. O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, decidiu criar uma comissão de juristas, coordenada pelo ministro Alexandre de Moraes, do STF, para propor alterações na legislação sobre o combate ao tráfico de drogas e de armas. O grupo deve apresentar em quatro meses um anteprojeto de medidas investigativas, processuais e de regime de cumprimento de pena.

ESTADÃO

Líderes governistas articulam reforma mínima da Previdência

Ideia é que, caso Temer supere a segunda denúncia na Câmara, seja posta em votação emenda centrada em idade mínima, tempo mínimo de contribuição e regra de transição.
Lideranças governistas no Congresso lançaram nova ofensiva para apresentar à base aliada uma proposta mais enxuta da reforma da Previdência. A estratégia é colocar o texto em votação no plenário da Câmara em novembro, logo após a tramitação da segunda denúncia apresentada pela Procuradoria- Geral da República contra o presidente Michel Temer. O grupo prepara texto alternativo (ou emenda aglutinativa) ao parecer do deputado Arthur de Oliveira Maia (PPS-BA) que foi aprovado em maio em uma comissão especial da Casa. Vice-líder do governo, o deputado Beto Mansur (PRBSP) diz que a emenda deve se concentrar em três mudanças: idade mínima de aposentadoria, tempo mínimo de contribuição e uma regra de transição para quem já contribui hoje com a Previdência. A ideia é manter a proposta de idade mínima de 62 anos para mulheres e 65 anos para homens. Mas “ajustes” devem ser feitos no tempo mínimo de contribuição – de 25 anos, pelo texto da comissão – e na regra de transição.

Consignado pode crescer R$ 15,6 bi em 2018

O governo já reduziu por duas vezes no ano o porcentual máximo que os bancos podem cobrar de juros no crédito consignado, aquele que é descontado na folha de pagamento. Segundo cálculos do Ministério do Planejamento, a iniciativa pode aumentar em R$ 15,6 bilhões o volume dos financiamentos em 2018. Desde o início do ano, o governo lança mão de medidas para incentivar o consumo das famílias e reanimar a economia. O primeiro impulso veio com o saque das contas inativas do FGTS, quase R$ 44 bilhões.

Vídeo polêmico causa novo estresse entre tucanos de SP

A decisão do prefeito João Doria de publicar vídeo nas redes sociais em resposta a Alberto Goldman (PSDB), no qual diz que o ex-governador é “fracassado”, “improdutivo” e “vive de pijamas” em casa, foi considerada um erro por auxiliares e aliados do tucano. O temor é de que o material sirva de munição para adversários. Doria disse a interlocutores que esse foi o 16.° vídeo de Goldman contra ele, e que decidiu responder desta vez por ter sido muito ofensivo.

Juiz federal mantém Nuzman na cadeia

O juiz Marcelo Bretas, da 7.ª Vara Federal, do Rio, autorizou a prisão por tempo indeterminado do presidente do Comitê Olímpico do Brasil (COB), Carlos Arthur Nuzman, na Operação Unfair Play, desdobramento da Lava Jato. O executivo estava detido temporariamente por cinco dias. O juiz prorrogou ainda a custódia temporária de Leonardo Gryner, braço direito de Nuzman.

FOLHA

Montadoras se recuperam e vão investir R$ 15 bilhões

Exportações dão impulso ao setor, que prevê a retomada da economia no país.
Em uma reversão nos ânimos de um setor que sofreu duro baque na crise econômica, oito montadoras vão colocar no país quase R$ 15 bilhões atê 2022, em um movimento iniciado em março. A Mercedes-Benz afirma que investirá R$ 2,4 bilhões nas fábricas de caminhões e ônibus, e a Volkswagen projeta crescimento de 40% nas vendas para os próximos quatro anos. Para Pablo Di Si, presidente da Volks no Brasil, a economia seguirá crescendo “e se observa um descolamento [dela] da política”. A Scania anunciou R$ 2,6 bilhões, e a Toyota, R$ 1 bilhão. GM, Volvo, Renault e MAN também divulgaram investimentos neste ano. As exportações ajudaram na reação: espera-se a venda recorde de 745 mil unidades no mercado externo em 2017. De 2013 a 2016, o setor sofreu com queda de 42% na produção, e mais de 35 mil postos de trabalho foram fechados. Para este ano, a Anfavea (associação dos fabricantes) estima que o setor possa chegar a 2,7 milhões de unidades produzidas, 500 mil a mais do que em 2016.

País tem 25 barragens danificadas, diz relatório

Ao menos 25 barragens no país têm danos estruturais que afetam a segurança, mostra o primeiro relatório da Agência Nacional de Águas após o desastre em Mariana (MG), que deixou 19 mortos há dois anos. Delas, 16 são públicas e 9, privadas. O número, no entanto, ê subdimensionado, diz Alan Vaz Lopes, superintendente-adjunto de fiscalização. Imagens de satélite apontam ao menos 22.920 barragens no país.

Justiça dá curso a acusados de assédio em ônibus e metrô

“Vi a menina na estação do metrô e achei bonita. Caminhei até ela, esbarrei e passei a mão”, descreveu Joaquim, 24. O relato aparece em meio às poucas confissões que surgiram em encontro de 16 homens acusados de cometer abuso sexual no transporte público, realizado em São Paulo.

João Pereira Coutinho (comentarista):
Crimes são razão de Che sobreviver como símbolo

A sobrevivência de Che Guevara como símbolo me interessa. O que leva intelectuais a aplaudir um criminoso? Para eles, não basta falar contra o imperialismo/capitalismo/colonialismo; é preciso agir. Che simboliza essa totalidade. Sobrevive porque foi capaz de ser o “anjo exterminador” que eles sonharam ser.