Venezuelanos presos são recrutados pelo PCC em Roraima

O GLOBO

Crise ameaça vagas em hospitais de Uerj e UFRJ

MEC suspende residência em unidades universitárias.
Para Ministério da Educação, Pedro Ernesto e Clementino Fraga Filho não têm condições de formar profissionais.
A falta de condições de ensino nos dois principais hospitais universitários do Estado do Rio, o Clementino Fraga Filho (UFRJ) e o Pedro Ernesto (Uerj), levou o Ministério da Educação a proibir o ingresso de novos médicos residentes nas duas instituições. Segundo o MEC, por causa da crise, a formação de futuros profissionais está comprometida pela falta de insumos, pela diminuição do número de procedimentos cirúrgicos e de leitos, por atrasos nos pagamentos de bolsas e pela redução do corpo clínico e de enfermagem. Por causa da medida, a Uerj cancelou o concurso de seleção marcado para o próximo dia 13. No Clementino Fraga, o início das atividades dos residentes já aprovados depende de resultado de vistoria. A suspensão deve impactar diretamente no atendimento à população.

Governo pretende mudar regra fiscal

O governo quer suspender temporariamente a aplicação da “regra de ouro”, que determina que as operações de crédito da União não podem superar os gastos com investimento. O desrespeito à norma caracteriza crime de responsabilidade fiscal para gestores públicos, inclusive para o presidente.

ESTADÃO

PCC recruta venezuelanos em penitenciária de Roraima

Cada vez mais numerosos nos presídios, estrangeiros são cooptados pela facção, que busca ampliar sua atuação.
A crise econômica na Venezuela se soma à crise dos presídios na Penitenciária Agrícola de Monte Cristo, a maior do Estado de Roraima, com mais de 1,2 mil presos. Integrantes do Primeiro Comando da Capital (PCC) – que dominam o presídio em Boa Vista e há um ano foram os responsáveis pelo assassinato de 33 detentos – estão arregimentando venezuelanos, cada vez mais numerosos nas cadeias da região após se envolver em crimes como furtos, roubos, contrabando de combustível e tráfico de drogas, informa o enviado especial Marco Antônio Carvalho. Com os estrangeiros, o PCC amplia sua conexão internacional em busca de armas, drogas e lavagem de dinheiro. “Esse contato com o País vizinho vem se fortalecendo e tem relação com a imigração descontrolada”, disse o secretário adjunto de Justiça e Cidadania de Roraima, Diego Bezerra de Souza. 

Cármen Lúcia propõe debate

Presidente do STF vai agendar reunião com o ministro Torquato Jardim (Justiça e Segurança Pública) e governadores dos 26 Estados e do DF para tratar da crise penitenciária. O pedido foi feito por Marconi Perillo (PSDB-GO). 

Bancos estatais derrubam crédito para o setor público

Caixa, Banco do Brasil e BNDES emprestaram R$ 46 bilhões a menos para Estados, municípios e suas estatais nos primeiros nove meses de 2017. A maior queda, R$ 39,2 bilhões, foi detectada no BNDES. Para analistas, o processo de reorganização da Petrobrás e a maior aversão dos bancos ao risco explicariam os números. 

Itamaraty não sabe onde está brasileiro preso na Venezuela

O Itamaraty desconhece o paradeiro do brasileiro Jonatan Moisés Diniz, preso desde 28 de dezembro na Venezuela. O governo fez vários contatos com autoridades chavistas, mas não obteve resposta, e admite não saber se Diniz está desaparecido ou se apenas tem sua localização mantida em segredo. O brasileiro foi detido sob a acusação de promover atividades contra o governo de Maduro.

PF aumenta equipe da Lava Jato em Brasília

A PF aumentou de 24 para 56 o número de agentes, incluindo delegados, à disposição do Grupo de Inquérito, que apura casos envolvendo políticos com foro privilegiado. O objetivo é encerrar as investigações até o início da campanha eleitoral, em 15 de agosto.

FOLHA

Contra dívida maior, Temer busca mudar regra de gasto

Proposta permitiria violar norma sem punição por crime de responsabilidade.
Integrantes da equipe econômica e aliados do presidente Michel Temer(MDB) discutem proposta de emenda à Constituição para suspender a chamada regra de ouro. Ela impede a União de captar recursos em empréstimos no mercado em volume superior ao que pretende gastar com investimentos. O limite tem como objetivo evitar que o Estado se endivide demais para pagar despesas correntes, como gasto com pessoal e conta de luz, empurrando a conta para outros governos. Ele pune gestores e o presidente por crime de responsabilidade, que poderia resultar num processo de impeachment. A PEC, de autoria do deputado Pedro Paulo (MDB-RJ), permitiria a suspensão temporária da punição. Durante esse período seriam acionados automaticamente mecanismos de correção de rota, como proibição de criar novas despesas, contratar pessoal ou aumentar salários de servidores. As conversas incluem o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e os ministros Henrique Meirelles (Fazenda), Dyogo Oliveira (Planejamento) e Alexandre Baldy (Cidades). Uma das ações em estudo é suspender a sanção até 2026, o mesmo intervalo de vigência do teto de gastos do governo. Neste ano, segundo cálculos do Tesouro, o governo precisará de R$ 184 bilhões para se adequar à norma. A intenção é aprovar a medida ainda neste semestre. Para isso, serão necessários 308 votos na Câmara.

Prefeito pede Exército em julgamento de Lula no RS

O prefeito de Porto Alegre, Nelson Marchezan Jr. (PSDB), pediu ao presidente Michel Temer a presença do Exército no dia do julgamento do ex-presidente Lula, marcado para 24 de janeiro na capital do RS. Para ele, há risco de “invasão” e “perigo à ordem pública”. A Presidência pediu a ministérios que avaliem o ofício.

Análise - Alexa Salomão / Com acordo nos EUA, Petrobras pensa no futuro

Quem acompanha o calvário da Petrobras nos EUA diz que o acordo que prevê pagamento de US$ 3 bilhões a investidores apenas limpa o terreno para as duas guerras que mais importam: um processo administrativo na SEC, o xerife do mercado, e o procedimento criminal na Justiça americana. 

AGÊNCIA BRASIL

A Coreia do Norte aceitou nesta sexta-feira em se reunir com autoridades da Coreia do Sul, na próxima terça, dia 9, para tratar da possível participação de atletas norte-coreanos nos Jogos Olímpicos de Inverno de PyeongChang, de acordo com informações do governo sul-coreano.

Os dois países, que tecnicamente estão em guerra há mais de 65 anos, não realizam um encontro de alto nível deste tipo desde o final de 2015.

O líder norte-coreano, Kim Jong-un, expressou em sua mensagem de Ano Novo o seu desejo de se aproximar do Sul e que seus atletas participem dos Jogos após um ano de 2017 marcado pelos seguidos testes de armas do seu regime e desacordos dialéticos com os Estados Unidos.

Seul então propôs realizar a reunião na próxima terça e o Norte decidiu reabrir, na última quarta, as linhas de comunicação em Panmunjom após dois anos em desuso para facilitar os contatos.

O anúncio do encontro bilateral também ocorre um dia depois que Coreia do Sul e Estados Unidos disseram que atrasarão o início das manobras militares anuais para que não coincidam com os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de PyeongChang, que serão realizados do dia 9 de fevereiro a 18 de março.

Seul já pediu, no final do ano passado, que Washington considerasse o adiamento dos exercícios para evitar que o regime norte-coreano, que costuma considerar estas manobras como um ensaio para invadir seu território, responda realizando um novo teste armamentístico.

A aproximação entre Seul-Pyongyang pode contribuir a aliviar a tensão após os seguidos testes armamentísticos da Coreia do Norte e as beligerantes respostas de Donald Trump que marcaram o ano de 2017.