O caso Jonatan Diniz

GLOBO

‘Responsabilidade da União é zero’

Diante da cobrança dos governadores por “providências urgentes” do governo federal para resolver a crise prisional, o ministro da Justiça, Torquato Jardim, criticou a má gestão do sistema penitenciário e disse que os estados gastaram apenas 4% do R$ 1,2 bi que receberam do Funpen. Sobre a responsabilidade da União, ele afirmou: “Zero. Absolutamente zero”. 

Meirelles quer ajuste automático

O ministro Henrique Meirelles defende que o governo faça avaliação mensal e congele gasto se regra fiscal for violada.

ESTADÃO

Bolsonaro vai para o PSL e liberais saem do partido

O deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) e o presidente do PSL, o também deputado Luciano Bivar (PE), fecharam acordo para que o presidenciável seja candidato pela legenda nas eleições de outubro. Assim que o acerto se tornou público, o movimento Livres, que há quase dois anos atuava na reconstrução do PSL, anunciou sua saída da sigla. Entre os dissidentes, está Sérgio Bivar, filho de Luciano Bivar. Sérgio distribuiu comunicado em que lamentou a decisão do pai e atacou o presidenciável. “Aos meus olhos, Bolsonaro é como Lula, um candidato antissistema, carismático, com ares messiânicos de justiceiro, dotado de uma visão estatista e autoritária, que surfa na demagogia”, escreveu. O presidente do PEN/Patriota, Adilson Barroso, que já havia apresentado o deputado fluminense como seu candidato, disse que “desfigurou o próprio partido em nome de Bolsonaro” e que “não recebeu nenhum telefonema como sinal de consideração”.

Quadro de estatais encolhe e chega ao patamar de 2010

Endividadas, as estatais encerraram 2017 com 507 mil funcionários, quadro 8% menor do que em 2014 e próximo do registrado em 2010. Foram 46 mil dispensas em três anos, por meio de programas de demissão voluntária e de aposentadoria incentivada. Juntas, Caixa Econômica e Correios vão economizar pelo menos R$ 1,8 bilhão por ano com os cortes. 

Exército monitora atos pró-Lula

João Pedro Stédile, líder do MST, disse que fará atos pró-Lula em várias cidades no dia do julgamento do petista no TRF-4, o que “acendeu o alerta” do Exército.

FOLHA

Braskem sonegou informações, diz Marcelo Odebrecht

O empresário Marcelo Odebrecht disse em novembro ã Policia Federal que a Braskem se negou a fornecer a ele e-mails de interesse da investigação sobre parlamentares federais. Segundo o ex-presidente da empreiteira, as informações podem ser utilizadas como provas no seu acordo de delação premiada. A Braskem é o braço petroquímico do grupo Odebrecht. O depoimento foi prestado quando Marcelo ainda estava preso em Curitiba. Em dezembro, o empresário passou a cumprir prisão domiciliar em São Paulo. No depoimento ã PF em Brasília, ele foi indagado sobre os apoios prestados ao grupo Odebrecht em “atos legislativos”, em especial medidas provisórias, por congressistas como o senador Aécio Neves (PSDB-MG). Esse ponto da investigação pode identificar eventuais contrapartidas dadas por parlamentares em troca de doações eleitorais oficiais, propina e caixa dois. 

Investigação da PF rejeita sabotagem no avião de Teori

A investigação da Polícia Federal sobre a queda do avião que matou o então ministro do Supremo Tribunal Federal Teori Zavascki há quase um ano descartou a hipótese de sabotagem, informa Rubens Valente. Zavascki era o relator da Lava Jato no STF. A perícia não detectou sinais de explosivos, produtos químicos ou de que tenha ocorrido um incêndio interno.

Oscar Vilhena Vieira - Estado age nos presídios como sócio do crime

Estima-se que mais de 75% do sistema prisional esteja sob controle de facções criminosas. Isso significa que o Estado age como sócio do crime organizado. Recruta milhares de jovens, muitos de baixa periculosidade, e os entrega às facções nos presídios. É a mais perversa “parceria público-privada” de que se tem notícia.

AGÊNCIA BRASIL

Veto a  Refis de pequenas e médias empresas

O presidente Michel Temer vetou integralmente o projeto que instituía o programa de refinanciamento para micro e pequenas empresas – o Refis das micro e pequenas empresas. A justificativa é que a medida fere a Lei de Responsabilidade Fiscal ao não prever a origem dos recursos que cobririam os descontos aplicados a multas e juros com o parcelamento das dívidas. A decisão foi tomada nesta sexta-feira (5) pelo Palácio do Planalto e comunicada diretamente por Temer ao presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos, com quem se encontrou em São Paulo, em agenda privada. O objetivo da instituição, porém, é trabalhar para que o Congresso Nacional derrube o veto presidencial enquanto o ministério da Fazenda estuda uma solução para o impasse econômico da medida.

O caso Jonatan Diniz

O Itamaraty informou que o  brasileiro Jonatan Moisés Diniz  está  preso em uma instalação de órgão de segurança  na Venezuela.

De acordo com o Ministério das Relações Exteriores, Jonatan está em bom estado de saúde,  e a Embaixada do Brasil em Caracas reiterou o pedido de autorização para visita consular ao cidadão brasileiro,  o que pode ocorrer nas próximas horas.

A nota diz ainda que a área consular do Itamaraty está em contato com a família de Jonatan.

No dia 27 de dezembro, o deputado governista Diosdado Cabello anunciou em seu programa de televisão que Jonatan tinha sido detido por participar de uma “organização criminosa com tentáculos internacionais”, funcionando, segundo ele, por meio de uma entidade de fachada para financiar grupos de oposição.

Nas redes sociais, Jonatan publicava pedidos de doações para a ONG Time to Change the Earth – tempo de mudar o planeta. Ele diz que a instituição trabalha com caridade.

Ele também fazia postagens contra o governo de Nicolás Maduro, incluindo um vídeo em que aparece um grupo de homens fardados se dizendo do Exército, que libertaria a Venezuela do que eles chamam de uma ditadura assassina.

Os governos brasileiro e venezuelano estão em crise diplomática desde dezembro do ano passado, quando o embaixador do Brasil em Caracas foi declarado "persona non grata" pela Assembleia Nacional Constituinte.