Bolsonaro afirma ser vítima de assassinato de reputação

GLOBO

Inspeção em presídio é cancelada

Por falta de segurança, a ministra Cármen Lúcia foi impedida de inspecionar presídio de Goiás onde nove pessoas morreram em rebelião. “O risco é iminente”, disse o diretor do sistema penitenciário. Cármen Lúcia pediu soluções concretas.

Maia defende mais de um candidato de centro

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, afirma que é “arrogante” a tese de que o centro só vencerá a eleição presidencial se tiver apenas um nome na disputa. Pela primeira vez, ele não descarta concorrer ao Planalto caso consiga formar uma ampla aliança de partidos. 

Prisão de Lula só depois de recurso

Em nota, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região, onde Lula será julgado dia 24, esclareceu que, mesmo se condenado, o ex-presidente não será preso imediatamente; só após o julgamento de recursos.

ESTADÃO

Para comissão do TST, parte da reforma só vale para contrato novo

Com o argumento de que a reforma trabalhista não pode retirar direitos adquiridos do trabalhador, uma comissão formada por ministros do Tribunal Superior do Trabalho (TST) avaliou que alguns pontos das novas regras valem apenas para novos contratos, feitos a partir de 11 de novembro, quando as mudanças começaram a valer. Entre os pontos, estão o fim do pagamento pelo tempo de deslocamento entre casa e empresa e a proibição de incorporar gratificações e diárias de viagem ao salário. Contrário ao entendimento do governo, que defende a mudança para todos os trabalhadores, o parecer ainda será votado no plenário do tribunal. Empregadores criticaram o entendimento dos ministros, enquanto sindicatos receberam bem o documento.

Maia trabalha para minar candidatura de Meirelles

Apontado pelo DEM como possível candidato à Presidência da República em 2018, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (RJ), atua para minar a candidatura do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD), ao Palácio do Planalto. Antes com discurso alinhado ao do ministro, o parlamentar fluminense faz questão agora de se distanciar e diferenciar seu perfil do de Meirelles. Para o presidente da Câmara, o ministro erra ao não propor uma agenda pós-reforma da Previdência.

Governo adia mudança na ‘regra de ouro’

Após polêmica, o governo decidiu adiar as discussões sobre a possibilidade de mudar a “regra de ouro” do Orçamento para depois da reforma da Previdência. Também descartou a flexibilização da norma. A “regra de ouro” impede que o País emita títulos da dívida pública para bancar despesas correntes – descumpri- la é crime de responsabilidade. A equipe econômica estuda alternativas, como aprovação de créditos suplementares, o que permitiria ao governo elevar dotações de despesas em 2019.

Armamento do crime vem do Paraguai e dos EUA, diz PF

Pistolas e revólveres usados por facções criminosas vêm do Paraguai, enquanto rifles e fuzis têm origem nos Estados Unidos. É o que mostra levantamento da Polícia Federal com base no rastreamento de 9.879 armas apreendidas. Bolívia, Argentina e Uruguai vêm na sequência entre os principais fornecedores. O relatório mostra ainda que 99% das armas entram no País por fronteira terrestre. 

FOLHA

União gastou R$ 40 bi com estatais em 2016 e 2017

O governo federal direcionou mais de R$ 40 bilhões para suas estatais nos dois últimos anos, de acordo com levantamento feito pelo IFI (Instituição Fiscal Independente), do Senado, que inclui 149 empresas. Dessas, 18 são financeiramente dependentes, e 131, independentes —possuem mais autonomia em relação ao governo para se manter. Segundo o IFI, a receita das dependentes em 2016 foi de R$ 16,8 bilhões. Mais de 90% vieram da União. Em 2017, afirma Josué Pellegrini, assessor da instituição, o número foi similar. As estatais independentes receberam R$ 6 bilhões em 2016, com previsão de R$ 2,4 bilhões no ano passado. Já a contrapartida (distribuição de dividendos à União) ficou longe dos níveis recordes, de 2008 a 2015. Muitas estatais, dependentes ou não, dão prejuízo ao erário. A Eletrobras tem a pior situação: patrimônio líquido negativo de R$ 203 bilhões em 2016.

Bolsonaro diz que é vítima de assassinato de reputação

O deputado e presidenciável Jair Bolsonaro (PSC-RJ) se manifestou em rede social a respeito de reportagens da Folha sobre a multiplicação do patrimônio de sua família. No Twitter, disse ser vítima da maior campanha de assassinato de reputação da história recente do país, protagonizada pela imprensa. “Chega a ser cômico, com tanto escândalo e crime dentro da política, a pauta são minhas ações lícitas. Escolheram viver no mundo da fantasia onde eu seria o mau.” Bolsonaro publicou ainda um vídeo que relembra denúncia contra ele arquivada pelo ex-procurador-geral Rodrigo Janot. 

Nova ministra dá verba da Câmara a tia de assessora

Nomeada ministra do Trabalho, Cristiane Brasil (PTB-RJ) destina R$ 4.000 mensais de sua verba de deputada a locadora de veículos da tia de sua chefe de gabinete. A parlamentar, que teve ontem a posse suspensa por juiz de Niterói, afirmou que a empresa atua legalmente.