Entre presídios modelares e parcerias adiadas

Uma situação a nos embalar num sonho danado: enquanto aqui nos satisfazemos com um protocolo de intenções para cabeamento subterrâneo de parte da Avenida Brasil - discutível, segundo entendidos, porque a região é inundável a toda chuva um pouco mais forte e isto representaria risco por causa da eletricidade conduzida, inclusive alta tensão -, intenção afinal adiada, inclusive, o sul do Estado, ou Criciúma, ganha uma penitenciária exclusivamente feminina de primeira linha (286 vagas), inaugurada pelo vice-governador Eduardo Pinho Moreira nesta semana. Fica a pergunta: onde falhamos no nosso decadente prestígio ante o governo do Estado, que só funciona na cidade ou na região se o poder público municipal e/ou federal entrarem no jogo, como parceiros (vide Centro de Convenções, sede do campus da Udesc, Escola Estadual Higino Pio). Só não nos atendimentos e manutenção do Hospital Ruth Cardoso, diga-se e reconheça-se - infelizmente. Ou aqui sempre se faz depois que as outras regiões já ganharam. Poucas coisas de governo começam por aqui.

Lembrando-nos que aqui queremos - e já seria excelente - um local para recolher menores infratores. Não temos e nem perspectiva há, sequer a longo prazo. Sem falar nas obviedades de sempre, como os efetivos da Polícia Militar e da Polícia Civil, defasados até o osso.

E este é um grande drama nosso: somos engambelados há tempos e tempos e ainda sorrimos, satisfeitos e alegres. Triste sina. 


A jornalista Silvia Letícia Daleffe, assessora de comunicação da ADR, manda um texto em resposta e acrescentando informações. Aduzo com prazer:

Bom dia meu caro colega Aderbal, que acompanho diariamente por aqui. Excelente texto! Porém, me cabe fazer algumas importantes considerações. O Governo do Estado aplica o maior volume de investimentos da história em nossa região e vou ocupar esse espaço para citar apenas alguns, para colaborar com o entendimento dos seus leitores: Cadeia Feminina de Itajaí (286 novas vagas, 90% da obra já executados e R$ 18 mi de investimento), construção de 5 novas escolas (R$ 50 milhões em fase de entrega - 1 delas entregue em 2017), duplicação da Rodovia Antônio Heil (em execução R$ 150 milhões), duplicação e revitalização da Rodovia Jorge Lacerda (em execução R$ 30 milhões), ampliação do Hospital Marieta ( em execução R$ 50 milhões), nova bacia de evolução para os portos (em execução R$ 105 milhões) entre outras inúmeras obras em parceria com prefeituras, como é o caso do Fundam que repassou R$ 26 milhões para os 9 municípios. Sabemos que muito ainda tem a ser feito nesta que é a região economicamente mais forte de Santa Catarina, mas há de se reconhecer que obras aguardadas há décadas agora são realidade. Grande abraço! Fico sempre à disposição!