Alargamento da praia: balde de água fria na moleira

O projeto de alargamento da Praia Central tem seu primeiro balde de água freia na moleira: o IMA (Instituto do Meio Ambiente de SC), ex-Fatma, quer a identificação da jazida da areia escolhida para a obra. E mais: um detalhamento muito pormenorizado dos impactos que causará em pontos específicos. Por exemplo, dois: Praia do Coco e Rio Marambaia. O Instituto quer informações atualizadas. Os técnicos entendem ser necessárias uma modelagem específica para o Marambaia e a Praia do Coco. Esta, inclusive, nem está nos estudos originais.

Essas informações estão em excelente matéria da jornalista Dagmara Spautz, da NSC, aduzindo que o EIA-Rima, em tramitação e produzido há quatro anos pela Prosul e Acquaplan, tem duas opções. Uma é inviável porque os estudos apontaram que mudaria a dinâmica da Praia Central. E a outra é quanto à escolha da jazida de areia a ser transportada: fica em área da APA - Área de Preservação Ambiental da Costa Brava e poderia estar na chamada "zona de amortecimento", chamando a atenção de ambientalistas.

Casando estes dados com o que já publiquei aqui, vale reler e comparar, para ver que a euforia e a pressa têm ainda muito chão para palmilhar até uma eventual liberação. Por isso precipitadas declarações dando o projeto como "favas contadas" e, como disseram, pra este ano. Num cálculo otimista, só num eventual segundo mandato do atual prefeito e olhe lá. Se for muito, mas muito persistente e reservar uma paciência de Jó.

Como disse Fernando Diehl, "o projeto, como está, é uma peça de ficção técnica".

Leia mais AQUI e AQUI, artigos que já publiquei a respeito e meçam e comparem as palavras e opiniões que dei.

E leia também, de forma completa, a matéria constante da imagem anexa.