Vai ao Ruth? Se tiver sorte, estaciona

A qualquer hora do dia ou da noite, ao menos até 22 horas, chegar e encontrar uma vaga de estacionamento no pátio do Hospital Ruth Cardoso, é uma aventura e tanto. Depende de muita sorte. Falamos disso há um ano (LEIA AQUI) e nada se fez até hoje. Na época, até havia um controle na entrada (controle inútil, pois não impedia a invasão de veículos de alunos, funcionários e professores da Univali), hoje nem isso. Até porque de nada adianta.

Diziam alguns, quando daquela matéria, ter outros problemas a serem resolvidos, mais urgentes, do que o estacionamento. Também achamos, mas não ilide a responsabilidade e a neessidade de organizar. 

Como fazer? O vô ensina: entreguem a administração do estacionamento a entidades, num rodízio mensal ou semanal, com valores totais para os caixas dessas entidades. Nem que seja necessário equipar o serviço. Vale a pena. Sendo que os pacientes, parentes e mais quem se dirija ao hospital nada pagariam, bastando comprovar a verdade por qualquer meio - carimbo ou papel. A ocupação até continuaria, portanto, mas não de graça e de forma bagunçada.

Ou então cedam a uma empresa organizada, privada, com direito a destinar parte da renda a essas mesmas entidades ou ao próprio hospital. 

A gente sabe que é difícil as cabeças estarem abertas para isso. Seria incomum aceitarem. Afinal, desde a primeira abordagem nada ocorreu. Como é um impasse desde 2010, temos uma teimosia em pleno vigor. E um dano permanente ao interesse de tantos.