Resumo nacional 12 abril

Jornal O GLOBO

Inquérito contra Alckmin é enviado à Justiça Eleitoral

O inquérito que investiga o ex-governador de São Paulo e pré-candidato do PSDB à Presidência da República, Geraldo Alckmin, no âmbito da Lava- Jato será enviado à Justiça Eleitoral de São Paulo. A decisão foi da ministra Nancy Andrighi, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), a pedido da Procuradoria- Geral da República. O tucano é suspeito de receber doações da Odebrecht, em 2010 e 2014, que chegariam a R$ 10,7 milhões. A assessoria do ex-governador disse que é lógica e já era esperada a decisão que o tira da mira da Lava-Jato. A PGR pediu ainda o envio à primeira instância de inquéritos e ações penais de quatro ex-governadores que serão candidatos.

Brasil fica estagnado na desigualdade

Um dos 15 países mais desiguais do mundo, o Brasil manteve a elevada taxa de concentração de renda em 2017, segundo o IBGE. Os pobres perderam mais renda que os ricos. O Índice de Gini — que quanto mais próximo de um indica maior concentração — ficou em 0,549, o mesmo de 2016. Apenas no Sudeste houve recuo desse indicador, e ainda assim devido à queda na renda dos mais ricos. Em todas as demais regiões ele cresceu e, na média, o país ficou estagnado na desigualdade. Houve perda de 0,56% no rendimento de todas as fontes, mas a queda dos rendimentos do trabalho foi maior: 1,36%. Juntos, os 10% mais ricos ganham o mesmo que os 80% mais pobres.

Jornal O ESTADO DE SÃO PAULO

Delegados querem Lula longe da PF de Curitiba

O Sindicato dos Delegados da Polícia Federal do Paraná pediu a transferência do ex-presidente Lula da sede da PF em Curitiba. Eles alegam risco de segurança aos moradores das redondezas e aos policiais, por causa do acampamento montado por apoiadores do petista nas proximidades. Vizinhos, por sua vez, se dividem em relação à presença do preso ilustre. Hoje Lula recebe a visita dos filhos.

Jornal FOLHA DE SÃO PAULO

Obra para filha de Temer foi paga por mulher de coronel

A arquiteta Maria Rita Fratezi, mulher do coronel João Baptista Lima Filho, amigo de Michel Temer (MDB), pagou em dinheiro vivo despesas de reforma na casa de uma das filhas do presidente, disse um dos fornecedores da obra a Camila Mattoso e Fabio Fabrini. Piero Cosulich, dono da Ibiza Acabamentos, afirmou que Maria Rita ia a sua loja para fazer os pagamentos. A Polícia Federal investiga a obra no imóvel de Maristela Temer sob a suspeita de que ela tenha sido bancada com propinas da JBS. Fratezi e Lima em março foram alvo da Operação Skala, que apura se houve esquema para favorecer empresas portuárias. O coronel foi preso por três dias e a esposa, intimada a depor. Ambos ficaram em silêncio. A assessoria de Temer e a defesa de Maristela não responderam aos questionamentos da reportagem. O advogado do coronel e de Fratezi disse que eles não cometeram irregularidade.