Argentina: maior taxa de juro do mundo

Autoridade econômica argentina eleva taxa em 6,75 pontos, para 40%. Instabilidade faz Macri enfrentar sua primeira grande crise. Diante da fuga de capitais que desvalorizou o peso em 8% em uma semana, o Banco Central argentino aumentou a taxa básica de juros de 27,5% para 40% - a maior taxa nominal do mundo. Ao todo, foram três altas em oito dias. 


Presidente Maurício Macri


Nesta sexta, 4, após o BC anunciar alta de 6,75 pontos porcentuais no juro básico e o governo reduzir a meta do déficit público de 3,2% do PIB para 2,7% em 2018, o dólar caiu quase 2% no país. A moeda americana encerrou o dia cotada a 21,82 pesos, depois de chegar a 23 pesos na quinta-feira. 

Essa é a primeira grande crise enfrentada pelo presidente Mauricio Macri, pouco mais de dois anos após chegar ao poder. A autoridade monetária vinha perdendo credibilidade desde o fim de dezembro, quando anunciou que deixaria de perseguir uma inflação de cerca de 10% e passaria a ter 15% como meta. Também contribuíram a avaliação de que os déficits fiscal e de conta corrente continuam altos e a implementação de um imposto sobre ganhos de investidores estrangeiros.

A equipe econômica do governo brasileiro avalia que a crise econômica da Argentina não vai contaminar o Brasil. O secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Fabio Kanczuk, diz que a situação das contas externas, da política fiscal e da inflação é melhor que no vizinho. 

(AGÊNCIA BRASIL)