Números ridículos nas cirurgias eletivas em SC

O baixo número de cirurgias eletivas realizadas em Santa Catarina e as propostas de mudanças no Sistema Único de Saúde (SUS) ganharam destaque na sessão desta quarta-feira (9) da Assembleia Legislativa.

“No ano passado foram liberados para o estado R$ 8 milhões para cirurgias eletivas, daria para fazer mais de 10 mil cirurgias”, afirmou Serafim Venzon  (PSDB), que comparou as cerca 2,7 mil cirurgias eletivas realizadas no estado em janeiro e fevereiro de 2018, com as 9,5 mil do Paraná e as sete mil do Rio Grande do Sul feitas no mesmo período.

Venzon cobrou mais agilidade nas cirurgias e pediu ao governo do estado que autorize os procedimentos eletivos nos hospitais das pequenas cidades.

“Para conseguir manter o corpo funcional do hospital, a melhor maneira é fazer procedimentos eletivos, enquanto a equipe aguarda uma emergência pode fazer algum procedimento, ajudando o hospital e fazendo o recurso voltar para a região”, argumentou Venzon.

Até onde se sabe, contudo, é que o Estado costuma atrasar os pagamentos, obrigando os hospitais conveniados a suportar os custos dessas cirurgias eletivas - o que quase sempre é impossível. E então há um natural esvaziamento no interesse em se habilitar a realizá-las.