Novo diretor geral da Emasa: já começaram a detonar

Douglas Costa Beber Rocha é o novo diretor-geral da Emasa. Ela saiu da direção do Funservir (primeira indicação neste governo), foi para o Fundo Especial de Outorga Onerosa de Transferência de Potencial Construtivo (FETPC) e chega ao seu terceiro cargo no governo indicado pessoalmente pelo prefeito Fabrício Oliveira. Advogado de carreira, Douglas começou sendo criticado por ser considerado presumivelmente incompetente para lidar com problemas, o que é uma bobagem acima da média. Um advogado só lida com problemas - e dos outros. Se dissessem, com alguma solidez mínima de comprovação, que não sabe lidar com pessoas e se relacionar em ambiente de trabalho, até daria para acreditar. 

Mas vamos lá:

Não nos compete estar aqui - e nem faz nosso tipo e nem parte de nossa postura de crítico ativo do atual governo (não há por que ser hipócrita) defender nomes justamente deste governo e nem atos do atual prefeito, exceto os reconhecidamente bons e úteis, de acordo com nossa visão. Porém, não se pode antecipar um julgamento, ainda que se razoável fosse, antes mesmo do início de uma gestão. Esperemos pelo menos alguns atos.

Reconhecidamente, a Emasa tem um ambiente funcional bom. Não fossem alguns enredos políticos e partidários lá dentro, seria muito melhor. Os servidores efetivos e muitos dos comissionados - de competência reconhecida -, fazem a empresa andar em paz e com eficiência. Mas há, e isto ocorreu em todas as gestões de diretores gerais, quem destoe do conjunto. E então se faz necessário o poder moderador de parte de um bom diretor geral. Para contribuir: se souber harmonizar o conjunto, delegar corretamente os serviços, se louvar em pareceres e opiniões técnicas, souber cobrar serviço e o fizer com autoridade e não com autoritarismo - e se meter muito pouco quando as coisas vão indo bem, então terá sucesso e não precisa de nenhum conhecimento suplementar ou especial para isso. 

Muito se deve a um diretor administrativo com tirocínio e capacidade que exerça a função de coordenador os setores nas suas atividades - e, com o devido e merecido respeito a todos os demais, Paulo Milton nesta área deu um banho e mandou ver. Entendia do riscado como poucos, conciliador, pacificador, algodão entre cristais sempre, duro quando precisou e carinhoso quando se fez necessário. Fatos reconhecidos até por adversários e opostos em geral.