Falha grave no hospital e a atitude do prefeito

Episódio grave, porém com final feliz, ocorreu no Hospital Ruth Cardoso quando, no final de semana, uma médica se negou a operar uma paciente de cesariana, por estar fora dos "dias úteis" (?). Estranho hospital e médico decidir por não realização de cesarianas em finais de semana, independente de consequências.

Como o hospital tem o atendimento terceirizado, essa situação se repete no PA da Barra, onde há os primeiros atendimentos e a equipe é a mesma. E isto é mais terrível ainda. Por pouco o casal não perdeu os gêmeos, não fosse a cobertura inicial do site "O Janelão", do jornalista Edenilson Pozzobon, que deflagrou a denúncia nas redes sociais com enorme repercussão, depois seguida de outros órgãos de imprensa.

O fato alcançou notoriedade e obrigou à intervenção direta e enérgica do prefeito Fabrício Oliveira, que esteve no hospital, conversou com os administradores, exigiu a demissão sumária da médica e acompanhou o caso até o desfecho final, com a cesária realizada e uma conclusão feliz. Os gêmeos nasceram com saúde boa e estão sendo acompanhados como deve ser.

Mas há uma análise necessária: o sistema falhou, até porque o caso não é único. Muitas outras denúncias do gênero, mais e menos graves, têm ocorrido com frequência no Hospital Ruth Cardoso. A fila de consultas e exames continua grande. A intervenção pessoal do prefeito pode ser aplaudida por um lado (evitou uma tragédia anunciada) e lamentada por outro: o sistema deve e precisa ter um fluxo natural de atendimentos eficientes. Não pode depender de investidas pessoais do prefeito para todos os casos de desídia ou falha de atendimento no hospital ou em qualquer outra unidade de saúde do município. Seria uma calamidade se assim fosse.

Mas isto também comprova, com fartura, que muita coisa vai mal e precisa ser corrigida.