Polícia Civil desmantela quadrilha internacional em Garopaba

Dez meses após iniciado, a Polícia Civil de Garopaba concluiu o inquérito que resultou na operação ALL IN e na segunda-feira, 7, remeteu o mesmo ao Fórum da Comarca de Garopaba.

Num processo com 14 volumes, 2.677 páginas e mais de 10 mil imagens analisadas, a Polícia Civil indiciou 46 pessoas pelos crimes de tráfico de drogas, associação para o tráfico de drogas, receptação de veículo, porte ilegal de arma e munição de uso restrito, organização criminosa e o agravante de aumento de pena por se tratar de tráfico interestadual.

Após a prisão do alvo principal e com as provas colhidas durante a prisão e após 10 meses de análises de fotografias e dados obtidos em fevereiro a Polícia Civil de Garopaba concluiu o trabalho de investigação. Chamou a atenção dos policiais o grande volume de droga aprendido uma semana após analisar o telefone celular de H.C.F..

O montante de droga aprendido com a quadrilha foi 2,85 toneladas de maconha, e os policiais identificaram várias fotografias dos indiciados onde é possível verificar os indiciados cavando buracos para enterrar droga e dinheiro. Outras imagens mostram os indiciados transportando, armazenando, pesando e embalando volumes substanciais de drogas, manipulando armas de fogo, e em mesas extensas com pilhas de dinheiro.

Outro fato relevante são os valores negociados pela organização criminosa. Segundo a investigação, dias antes da prisão de H.C.F. no local onde foi localizada a maconha havia malas com a quantia em espécie que extrapola R$ 600 mil, remetida dia antes para os fornecedores de drogas.

Durante a investigação apurou-se a existência de contas bancárias, algumas que recebiam em média valores mensais de R$ 100 mil e outras que movimentaram em menos de cinco meses quantias que extrapolam R$ 1,2 milhão.

Com o apoio dos policias da DENARC (Divisão Especializada da Combate ao Narcotráfico) da Deic (Diretoria de Investigações Criminais) foi possível identificar diversos traficantes do Estado do Rio Grande Sul, possibilitando a prisão de R.B.P., 37 anos, conhecido como “Playboy”, um dos principais fornecedores de drogas daquele Estado. Conhecido por estar aliado a várias facções, Playboy tem um amplo balcão de negócios e estava construindo uma pousada de luxo na Praia do Rosa, em Imbituba, com o intuito de lavar o dinheiro do tráfico.