Água: risco de racionamento em Balneário Camboriú é real neste momento

Informação oficial, da Empresa Municipal de Água e Saneamento de Balneário Camboriú:

Com o alto consumo de água nos últimos dias e a falta de chuva, o nível do Rio Camboriú baixou consideravelmente e a captação de água pode ser prejudicada. 

Com isso, caso não aumente o nível ao longo do dia e não chova, poderá haver racionamento de água ou rodízio, sendo informado pela Autarquia no decorrer do dia. Segundo o diretor-geral da Emasa, Douglas Costa Beber, as quadras de arroz que fazem parte do acordo foram abertas e todas as áreas ao longo do rio estão sendo monitoradas para futuras medidas a serem tomadas.

Os chuveiros da praia Central permanecem fechados até a situação normalizar. 

O risco de racionamento, portanto, é concreto, a perdurar a atual situação de estiagem e nível baixo do rio na ERAB (Estação de Recalque de Água Bruta), situada em Camboriú.

Esta situação se repetirá todos os anos, enquanto a Emasa não investir numa nova captação - ou do Rio Tijucas ou do Rio Itajaí-Mirim, projeto que está gavetas da empresa desde 2005, quando retomou a concessão da Casan por conclusão de prazo. Recentemente, voltaram a discutir a possibilidade de forma muito tímida e inconclusiva. 

Não há milagre ou fenômeno natural que resolva, mesmo sem estiagem e até com parque linear ou acumulador de água bruta. Qualquer dessas ações é remediadora - não permanente, pois o consumo só aumenta. Só a ação administrativa rápida, ampla, de envergadura e eficiente resolverá, eis a verdade.