Vigilância Ambiental de Balneário Camboriú intensifica combate à Dengue

Balneário Camboriú registrou o primeiro caso de Dengue no município. O caso entrou por investigação em janeiro deste ano, tendo confirmação nesta semana. Trata-se de um caso autóctone, ou seja, contraído na cidade.

Ao todo, são 255 focos do mosquito espalhados pelos bairros de Balneário Camboriú. O Centro soma 59 e é o bairro com mais focos da doença, seguido pelos bairros Nova Esperança (31), Nações (20), Estaleiro (18), Estados (17) e Barra (17).

Para evitar que estes números aumentem, os agentes de combate às endemias realizam visitas nos imóveis, comércios e terrenos do município. Desde o início do ano foram realizadas mais de 11 mil visitas. Outra atividade que o Programa de Combate à Dengue promove é a aplicação de inseticida na região que possui casos confirmados da dengue, conhecido como “fumacê”.

A Secretaria de Saúde, por meio da Vigilância Ambiental, orienta que os moradores verifiquem suas residências, buscando eliminar os criadouros do mosquito Aedes Aegypti, transmissor da dengue, Chikungunya e Zika, que se cria em recipientes com acúmulo de água. Os moradores podem fazer o uso de inseticidas aerossóis, encontrados facilmente nos supermercados. Além disso, o uso do repelente ajuda na proteção contra a doença.

De acordo com a diretora da Vigilância Ambiental, Eliane Guedes, o calor intenso, aliado às chuvas frequentes, propícia o aumento de criadouros para o mosquito Aedes Aegypti. Por isso, a população deve redobrar os cuidados.

A equipe atende denúncias feitas à Ouvidoria Municipal, pelos telefones (47) 3267-7024, 0800 644 3388, ou Whatsapp (47) 99982-1979.

Os principais sintomas da dengue são:
— febre alta, de 39 °C a 40 °C, de início abrupto;
— dor de cabeça;
— fraqueza;
— dores no corpo;
— dores nas articulações;
— dor no fundo dos olhos.

Ao perceber os sintomas deve procurar o serviço de saúde imediatamente.

Métodos de prevenção:
— evite usar pratos nos vasos de plantas. Se usá-los, coloque areia até a borda;
— mantenha lixeiras tampadas;
— deixe os depósitos d’água sempre vedados, sem qualquer abertura, principalmente as caixas d’água;
— plantas como bromélias devem ser evitadas, pois acumulam água;
— trate a água da piscina com cloro e limpe-a uma vez por semana;
— mantenha ralos fechados e desentupidos;
— lave com escova os potes de comida e de água dos animais no mínimo uma vez por semana;
— retire a água acumulada em lajes;
— mantenha fechada a tampa do vaso sanitário;
— evite acumular entulho, pois ele pode se tornar local de foco do mosquito da dengue;
— denuncie a existência de possíveis focos de Aedes aegypti para a Secretaria Municipal de Saúde;
— caso apresente sintomas de dengue, chikungunya ou vírus da zika, procure uma unidade de saúde para o atendimento.