Notícias

Taxa de manutenção devida pelo antigo dono não pode ser exigida do comprador de imóvel em loteamento

24/08/2021 - Taxa de manutenção de imóvel

noticias

A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) estabeleceu que a cobrança de taxa de manutenção de loteamento, prevista em contrato-padrão registrado, pode ser imposta ao comprador somente a partir da aquisição do imóvel, não lhe cabendo arcar com débitos do proprietário anterior.
 
Com esse entendimento, o colegiado negou o pedido de uma associação de proprietários para que os compradores de imóveis no loteamento tivessem de pagar os valores referentes às taxas de manutenção anteriores à compra.
 
Ao STJ, a associação alegou que as obrigações impostas pelos loteadores no contrato-padrão regularmente registrado vinculam os adquirentes, transformando o pagamento da taxa de manutenção e limpeza em obrigação propter rem – ou seja, que acompanha o bem que originou o débito.
 
No entanto, os compradores alegaram que, ao adquirirem os imóveis, aderiram ao contrato-padrão e passaram a contribuir com a taxa mensal, mas não poderiam ser responsabilizados pelos débitos dos proprietários anteriores.
 
Taxa de manutenção tem natureza pessoal
O relator, ministro Villas Bôas Cueva, lembrou que a jurisprudência do STJ considera que a taxa de manutenção cobrada por associação de moradores tem natureza pessoal, não se equiparando a despesas condominiais.
 
O ministro destacou que, no julgamento do Tema 882 dos recursos repetitivos, a Segunda Seção fixou o entendimento de que as taxas instituídas por associação de moradores ou condomínios de fato não alcançam quem não é associado ou não tenha aderido ao ato que instituiu o encargo.
 
Segundo o magistrado, também foi objeto de discussão no STJ a possibilidade de cobrança da taxa de manutenção na hipótese de ela estar prevista no contrato-padrão que acompanha o projeto de loteamento registrado no cartório de imóveis, ficando estabelecido que as obrigações constantes do contrato-padrão vinculam os adquirentes.
 
Proteção ao comprador do lote
No caso, o ministro verificou que a associação interpretou o artigo 29 da Lei 6.766/1979 no sentido de que o adquirente sucede o transmitente em todas as suas obrigações, isto é, responderá pelos débitos da taxa de conservação em aberto.
 
Para o relator, contudo, um dos principais objetivos do registro imobiliário do projeto de parcelamento urbano – com a previsão de depósito de diversos documentos (artigo 18 da Lei 6.766/1979), entre eles o contrato-padrão (artigo 26) –, é proteger os compradores dos lotes. "Nesse contexto, se o intuito é proteger os adquirentes, a interpretação da norma que impõe obrigações e responsabilidades não pode ser feita extensivamente", disse.
 
O artigo 29 da lei – afirmou – não traz a determinação de que o adquirente responderá pelos débitos do antigo proprietário, mas tão somente que sucederá o transmitente em suas obrigações, isto é, na obrigação de pagar a taxa de manutenção.
 
Na avaliação do ministro, o fato de o contrato-padrão ter sido levado a registro, permitindo que fosse consultado por qualquer interessado, além de ter sido reproduzido em parte na matrícula do imóvel, apenas indica que os compradores foram cientificados de que estariam aderindo à obrigação de pagar uma taxa de manutenção, e não de que responderiam por débitos de antigos proprietários.

Leia o acórdão no REsp 1.941.005.
 




Fonte: STJ

Outras Notícias

Há seis meses, análises do IMA consideram Praia Central de Balneário Camboriú própria para banho

SEGUNDO OS BOLETINS MENSAIS E/OU SEMANAIS (CASO DA TEMPORADA) DE ANÁLISE DA BALNEABILIDADE DE TODA A PRAIA CENTRAL DE BALNEÁRIO CAMBORI&...

Balneário Camboriú e sua nova faixa de areia: a expectativa do day after

A verdadeira coleção de pais da criança se acumula a cada dia. Todos querem uma casquinha da obra de alargamento da faixa de arei...

Alargamento da faixa de areia de Balneário Camboriú

Acompanhe a obra de alargamento da faixa de areia da Praia Central de Balneário Camboriú, em tempo real. Acesse no endereço a seg...

Câmara aprova municipalização de regras de proteção de rios em área urbana

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quinta-feira (26) projeto de lei que transfere para a legislação municipal as regras de prot...

Liminar proíbe divulgação e venda de apartamentos de edifício irregular em Porto Belo

Está proibida a divulgação e a venda de apartamentos do Edifício Mônaco, em construção...

Bolsonaro vetou integralmente projeto proibindo despejos urbanos durante a pandemia

O presidente Jair Bolsonaro vetou integralmente um projeto de lei (PL 827/2020) que proibia o despejo em imóveis urbanos durante a pandemia de ...

Serão suspensos despejos até final de 2021, exceto imóveis rurais

A Câmara Federal aprovou, por 313 votos contra 131, o projeto de lei que proíbe o despejo ou a desocupação de imóvei...

Finalmente, o fim das taxas de laudêmio e de foro para o domínio total das propriedades litorâneas

Uma das realidades comuns a quem vende imóveis em áreas pertencentes à União, principalmente quem mora per...

Terceira Turma afasta decadência de dez anos em ação para abatimento do preço de imóvel menor que o contratado

​​​​A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou recurso especial por meio do qual um comprador de im&o...

Receita Federal institui o Cadastro Imobiliário Brasileiro – CIB

O Cadastro Imobiliário Brasileiro (CIB) é o novo cadastro integrador de imóveis urbanos e rurais, que faz parte do Sistema Nacion...

icone-whatsapp 1

Corretor

  • Aderbal Machado
    Avenida Brasil, 2330, 51 - Centro - Balneário Camboriú / SC
    Creci: 41.059F

    Telefone: (47) 9-99822660 / Somente Whatsapp

    E-mail: aderbalmachado1944@yahoo.com.br

Contato

  •   Avenida Brasil, 2330, Balneário Camboriú

  •   Todos os dias

  •   Fale Conosco

www.aderbalmachado.com.br © 2021. Todos os direitos reservados.

Site para Imobiliarias
Site para Imobiliarias