O porquê de a política e a eleição mudar pouco no Brasil

Li uma opinião, na imprensa de Criciúma, sobre a possibilidade de lançamento do empresário Olvacir Fontana, da construção civil, à prefeitura daquela cidade. Alguém disse que "não tem carisma" e não tem "densidade eleitoral". Opinei lá, e discordaram e concordaram comigo alguns, que por isso a política brasileira não muda: sempre os mesmos. Vale mais o bonitinho, o simpático, o ensaboado, o da palavra fácil, o envolvente, o carinhoso, até o mentiroso ocasional, do que o eventualmente eficiente ou experiente. Sempre vem aquilo de "não tem voto", como se voto fosse tudo o que de melhor existe nessas horas. Se fosse, estaríamos com nossas mazelas resolvidas - e, pelo contrário, é por aí que tem piorado muito. Claro que, se um político com as suas naturais características de político incluir competência e eficiência na administração pública, é o melhor dos mundos. E há, convenhamos, políticos assim - raros, mas há. Mas isto, infelizmente, vale muito pouco na hora da escolha.