A desgraça do alheio (só do alheio)

O blogueiro André Roldão, o mais lido de Criciúma e região por ser intensamente polêmico em suas postagens em que fala de política, relações humanas, sociedade, polícia e o dia a dia de sua região, colocou no seu perfil do Facebook uma filmagem de um jovem andando nu, esta semana, na Avenida Centenário, a principal de Criciúma.

Quando percebeu, eram 21 mil visualizações e 70 compartilhamentos. Em casa, discutindo com sua mulher o critério de publicar, perguntou-se: "E se fosse teu parente, um irmão, por exemplo?".

Depois descobriu-se que se tratava de um estudante universitário com problemas mentais. E então Roldão deletou a postagem e explicou suas razões:

PORQUE DELETEI UM VÍDEO com 21 mil visualizações.
Ontem à noite, ponderando com meu amor, pensamos que o vídeo de um homem andando nu na Centenário, como o ocorrido ontem, fruto de sua condição mental débil, não seria postado por mim caso fosse alguém da minha relação pessoal ou dela. Por óbvio não devo fazê-lo com um estranho. De qualquer forma ratificou o porquê a mídia chamada de sensacionalista não pode ser criticada: o povo adora esse tipo de coisa.

É assim mesmo. É comum pessoas adorarem colocar corpos mutilados, vítimas de crimes violentos, pessoas em situação ridícula ou contrangedora - desde que sejam distantes de suas relações. Por certo não o fariam se fossem pessoas com laços de parentesco ou amigos muito chegados.

Este traço do egoismo humano e gosto pelas tragédias alheias é considerado normal e banalizado. Não costumo compartilhara e nem publicar essas coisas, pelas mesmas razões aqui expostas. Nem em relação a humanos, nem em relação a animais. Em pelo menos uma ocasião cometi este erro, entretanto. Foi num caso de queda de um homem de um prédio, com morte instantânea. Por momentos, por falha de minha própria vigilância ética, compartilhei o vídeo quase instintivamente. De pronto, um amigo de fé entrou inbox e pediu para retirar, pois era seu sobrinho e a família estava muito chocada. Retirei e me penitenciei pelo erro grosseiro. Sim, pois é fundamente errado e é imoral e desumano. Quem faz isso precisa urgente de um atendimento psiquiátrico. Ou aguardar quando ocorra algo semelhante com um parente seu - e então provará do próprio veneno.