As eleições barulhentas dos Conselhos Tutelares

Em todas as cidades da região houve denúncias as mais variadas na disputa pelas vagas dos Conselhos Tutelares. Umas menores e outras maiores malfeitorias se sucederam. A ponto de haver cola irregular de voto em Itajaí, dificuldades de votação em Camboriú, boca de urna em Balneário e até impugnação da eleição em Porto Belo.

Além disso, tudo o que as autoridades quiseram impedir ou evitar, ocorreu: o franco e descarado envolvimento político partidário na escolha dos conselheiros. É estranho: ser conselheiro tutelar pode ser honroso e até lucrativo, pela remuneração que oferece - mas seguramente não é um cargo que renda votos para alguém. Se atuar direitinho, dentro da lei e com normas de conduta de praxe, um conselheiro poderá até obter alguns queixumes e muita pressão, mas votos mesmo, poucos ou nenhum. É só pepino do grosso. 

Por isso fica ainda menos simples entender o por que do açodamento em torno da escolha dos conselheiros. Como dizem: só por Deus.