Jaison Barreto comenta traição do PMDB

De Jaison Barreto:

Tenho razões pra não confiar muito em alguns traíras do PMDB, inclusive de Santa Catarina, mas o exercício da política nos cobra persistir na crença de que a regeneração é uma possibilidade. 
Ulysses falava em “Navegar é preciso”.
Lembro que foi lá pelas 4:30 da tarde, quando recebi o recado do “velho guerreiro” me pedindo pra comparecer ao seu gabinete, quando da filiação de José Sarney no PMDB.
O sorriso de deboche pelo o que eu considerava um trote, foi infelizmente substituído pela sensação de indignação, frustração, decepção. 
Era verdadeiro!
Começava ali, o rasgar de uma das páginas mais lúcidas e brilhantes de Civismo, escritas pelo povo brasileiro nas ruas e praças, defendendo as Diretas, Diretas Já e Só Diretas.
Se confirmava assim, o script da ida ao Colégio Eleitoral, que eu considerei e considero e que a historia registra como o episódio talvez mais deseducador da política brasileira.
Pagamos o preço até hoje.
Nós do “Grupo dos Autênticos” já tínhamos nos posicionado quando da anti candidatura de Ulysses Guimarães e mais tarde do General Euler Bentes, com um manifesto denunciando a fraude. Os mentirosos não tem o direito de esconder a história, ela está registrada nos anais do Congresso Nacional.
Coerente, quando como o quarto chamado pra votar, me retirei como protesto e discordância.
Era o início da despedida do Partido que tinha ajudado a construir ,com muita dignidade.
O grande Ulysses Guimarães em 1989, pagaria o preço do equívoco cometido, ficando em sétimo lugar nas eleições pra Presidência da República.
O partido que tantos serviços prestou ao país, deixou também uma divida enorme junto ao povo que nele acreditou, com o seu apetite voraz e o fisiologismo que contaminou seus dirigentes.
Aqui em Santa Catarina, nos últimos 15 anos, essas alianças que desencantam e frustram as esperanças da nossa gente, justificam a indignação e o verdadeiro asco com que a classe politica é vista pelo cidadão normal.
O desembarque do PMDB agora anunciado, esperamos todos, dê início a um processo de regeneração fundamental pra sua sobrevivência, que possa até induzir os outros partidos políticos brasileiros a fazerem também uma autocritica, num método de autoflagelação e de depuração, que a nação exige nesse momento grave da vida nacional. 
Infestado de lideranças partidárias em todos os Estados da Federação, que desonram moral e eticamente nossa gente, que ajam com altivez e responsabilidade neste momento.
Mais do que o Impeachment, é necessário mesmo interditar este desgoverno que nos envergonha como povo, como nação.
Por favor, não nos traiam de novo!