A empatia dos candidatos

Assisti ao debate da Rádio Menina, hoje, com os prefeituráveis de Balneário Camboriú.

Acho que vamos ter uma eleição muito agradável. Os debates mostram a face real dos candidatos e a sua capacidade de galvanizar o eleitorado. 

Sobre a empatia dos candidatos na rua, no corpo a corpo e num debate, a Gazeta do Povo. de Curitiba, publicou o "Manual contra o marketing eleitoral". Um trecho interessante:

Cuidado com as emoções

Nenhum voto é 100% razão. Segundo Luciana Veiga, da UFPR, existem linhas de pesquisa na ciência política que mostram que os eleitores tendem, primeiro, a gostar da pessoa do candidato, antes de arranjar justificativas para dar seu voto. Logo, é natural que os candidatos apelem para o lado emocional, tentando criar uma empatia para facilitar o diálogo com o eleitor, do mesmo jeito que as margarinas e as pastas de dente são sempre vendidas por uma família simpática e feliz. Entretanto, é bom lembrar que, na hora de votar, o importante é conhecer as propostas do candidato e saber se elas são parecidas com as suas – e não se ele é um sujeito alegre que gosta de crianças e cachorros, assim como você. E saiba, também, que cada sorriso e cada lágrima são calculados para conseguir sua simpatia – não que isso seja errado, mas é verdade.