Invasões cresceram sem barreiras e agora assustam

Em conjunto com a Secretaria de Habitação e Defesa Civil, os Guardas Patrimoniais da Secretaria de Segurança, iniciaram nesta semana, a operação destinada a conter invasões de áreas públicas no Município. Nesta primeira etapa, o serviço está sendo de fiscalização e reconhecimento das áreas.

A ronda desta quarta-feira (18) percorreu locais já habitados irregularmente pelos Bairros Fazenda, Cabeçudas e Espinheiros. Conforme o fiscal da Guarda Patrimonial Porfírio Santos da Silva, neste caso o grupo trabalha para que não haja ampliação do que já existe. “Trabalhamos com dois fatos, lugares habitados e locais não habitados, os quais monitoramos para que não sejam invadidos”, comenta.

O Projeto Vidas é divido em três etapas, começando pela fiscalização dos Agentes aos 51 pontos já mapeados pelo Projeto, na sequencia o repasse das informações à Gerência de Habitação para a análise de cada situação e, posteriormente, serão acionados os demais órgãos como Procuradoria do Município e Secretaria Municipal de Urbanismo para que sejam tomadas as medidas cabíveis.

Todo este serviço já era realizado no município, porém, por uma empresa terceirizada. A mudança resultará em uma economia anual de R$ 600 mil aos cofres municipais.

O Projeto Vidas é desenvolvido pela Secretaria de Habitação, por meio do Programa de Contenção de Ocupações Irregulares, em parceria com a Defesa Civil, Secretaria Municipal de Urbanismo, Obras e Serviços Municipais, Fundação do Meio Ambiente de Itajaí (Famai) e Secretaria Municipal de Segurança.


Ao todo, entre Itajaí e Balneário, são 85 pontos de invasão detectados. Só em BC, outros 34. Imagina-se como chegamos a este ponto. Demonstração que algo falhou e muito bem falhado na prevenção disso. Mais ainda em Camboriú, onde até políticos estimularam invasões de áreas públicas.