Limpeza urbana: boas medidas, mas não é tudo

Prefeitura cobra ação coordenada na limpeza urbana, exigindo que Emasa, Ambiental e Obras afinem suas relações e trabalhem no sentido de impedir acúmulo de recipientes de lixo nas calçadas. Além disso, deverão higienizar os contendores e lixeiras por dentro e por fora, depois de esvaziados. Será estabelecido um cronograma de recolhimento.

Pode-se afirmar ser esta medida necessária e oportuna, mas o principal problema nem se vincula à falta de coordenação entre os serviços de limpeza e coleta. Ele está na falta de cumprimento por parte de quem produz o lixo – no caso bares e restaurantes, principalmente, e condomínios, quanto ao horário de descarte e de colocação dos recipientes nas calçadas. Há um horário já determinado para isso e jamais é cumprido. Muitos colocam o lixo em horários inadequados e fora do que é determinado. A Ambiental recolhe a partir das 22 horas e recomenda a colocação depois das 19 horas. Grande parte, com ênfase para a Atlântica e Brasil, coloca muito antes, expondo um cenário degradante durante quase todo o dia ou boa parte dele, antes do momento da coleta. Esta é a verdade.

Falta, então, é uma reprimenda em regra e uma providência quanto a isso, o que, parece, não foi tratado nesta reunião.