Busca e apreensão em alojamento de policiais do 12º BPM

Uma equipe da DIC (Polícia de Investigação Civil de SC), esteve no 12º Batalhão de PM, cumprindo mandado de busca e apreensão no alojamento dos policiais. Por isto, o comando local emitiu uma nota oficial:

NOTA À IMPRENSA

Na manhã desta quinta-feira, 25, uma equipe da Delegacia de Investigação Criminal (DIC) esteve na sede do 12º Batalhão de Polícia Militar, em Balneário Camboriú, para cumprimento de mandados de busca e apreensão no alojamento dos Policiais Militares do Pelotão de Patrulhamento Tático (PPT), supostamente envolvidos em um crime de tortura psicológica durante atendimento de uma ocorrência que culminou com a apreensão de quatro armas de fogo.

Em que pese nada de ilícito ter sido encontrado nas diligências realizadas pela DIC, a Polícia Militar irá instaurar um inquérito policial militar para apurar o suposto envolvimento dos policiais militares do PPT com a suposta tortura psicológica de um suspeito de homicídio.

A Polícia Militar é uma instituição baseada na hierarquia e disciplina, com 182 anos de credibilidade junto à sociedade catarinense e a segurança do cidadão o seu maior patrimônio.

O Comando do 12º Batalhão de Polícia Militar está acompanhando todos os desdobramentos para garantir a legalidade e cumprimento da lei.

Assina,

José Evaldo Hoffmann Junior
Tenente-Coronel PM - Comandante do 12º Batalhão de Polícia Militar


O MOTIVO:


A Polícia Militar foi acionada para atender ocorrência de homicídio na noite de segunda-feira, 10, por volta das 20h30min, na Rua Manoel Rebelo dos Santos, Bairro da Barra, em Balneário Camboriú.

Ao chegar ao endereço supracitado, a PM encontrou uma guarnição do Corpo de Bombeiros, que havia localizado um homem submerso no rio Camboriú.

Tratava-se de Kelvim do Amaral Chiele, popularmente conhecido como “Cebolinha”. Populares no local informaram que ouviram um disparo de arma de fogo, e logo após um barulho de algo caindo no rio.

A guarnição isolou o local e aguardou a chegada da Polícia Civil. O corpo foi recolhido para procedimentos.

Kelvim do Amaral Chiele, 18 anos, já possuía 23 boletins de ocorrência em seu nome, entre eles por lesão corporal a menor, furto em comércio, furto em residência, receptação, alteração de chassi, dano, posse e tráfico de drogas, dirigir sem habilitação e roubo, e estava com mandado de apreensão ativo. Começou nessa ocorrência.           

A partir daí a Polícia Militar fez diligências e encontrou 4 armas de fogo. Uma delas com informações que foi usada para homicídio. Na ocasião foram presos dois homens. O suspeito do homicídio não foi localizado.

Informações dão conta que o suspeito do homicídio se apresentou na DIC com um advogado, assumiu a autoria do homicídio e disse ter sido abordado pelos policiais do PPT e torturado. Deu depoimento e foi liberado.


(Equipe da Guarda Municipal acompanhou o mandado junto com a Polícia Civil. Isto poderá redundar em ranhuras sérias no relacionamento entre PM e GM. Porque a Guarda não está autorizada a atuar em conjunto com a PC. Precisaria um termo legal assinado para autorizar isto e ele inexiste. Ainda está em tramitação, conforme informação encaminhada a pedido ao gabinete do vereador Nilson Probst. A atitude só piora bastante um quadro que já periclitava no relacionamento. Ao invés da paz, buscaram a guerra. Lamentável. O desconfiômetro está desligado e a situação vai respingar quente no gabinete do prefeito).