Cúpula da segurança de SC reunida em BC pede harmonia

Autoridades de segurança pública do Estado reuniram-se ontem, 29, em Balneário Camboriú, tentando arrefecer os ânimos acirrados com a disputa entre as polícias civil e militar na cidade, após a prisão de cinco policiais do PPT e as circunstâncias lamentáveis que o caso envolveu, inclusive um mandado de busca e apreensão nas dependências do quartel do 12º Batalhão da PM, medida autorizada pela Justiça, mas de todo inconveniente e comprometedora da relação entre as corporações e a política de segurança da sociedade. Absolutamente desnecessária, intempestiva e inútil. No caso, a legalidade do trâmite nada explica. Ao contrário, confunde ainda mais, por dar ar de naturalidade a um evento evitável. Se fosse o caso e no máximo, busca e apreensão nos domicílios dos policiais visados, mas não no quartel, onde bastaria uma ação entre Justiça, MP, PC e o comando local. Pior que tudo foi o alarde na imprensa, com direito a selfie inconveniente de delegados dentro do quartel, com ares de vitória de Pirro.

Pior que tudo foi a troca de notas ofensivas entre as corporações e seus comandos, ora justificando isso ou aquilo, ora acusando aqui e ali, com petardos pessoais que só maculam ainda mais as instituições que representam e jogam no lixo a confiança da população na sua atuação.

Os comandos, após o encontro em Balneário Camboriú, emitiram uma nota curta:


O secretário de Estado da Segurança Pública, o secretário adjunto de Estado da Segurança Pública, o comandante-geral da Polícia Militar e o delegado-Geral da Polícia Civil, após reunião ocorrida nesta segunda-feira, 29, entre os Comandos das Policias Estaduais no município de Balneário Camboriú, decorrente do episódio ocorrido no dia 25 no município, reiteram a harmonia e a integração que regem o relacionamento entre as instituições que compõem a Secretaria de Estado da Segurança Pública.

O momento requer serenidade e cautela, essenciais para qualquer juízo de valor e busca da verdade real. Desta forma, são desnecessárias quaisquer manifestações em redes sociais ou congêneres, que em nada contribuem para o bom andamento do sistema da segurança pública, tanto em seu público interno quanto externo.

Reafirma-se que a convivência e harmonia entre os mais de 18.000 agentes que compõem o sistema estadual de segurança pública são a tônica da atual administração e fatores de convergência inequívoca para a paz social.

No tocante a eventuais excessos ocorridos na ação policial decorrente de determinação judicial ou em manifestações públicas de qualquer natureza, estas serão objeto de rigorosa apuração pelas respectivas corregedorias.  

Secretaria de Estado da Segurança Pública


De fato, o tom incendiário do episódio, no curso de seus vários momentos, só causou desconforto e desconfiança em todos. Os egos inflados danificaram parte do que deveria haver na ação policial - a harmonia em favor da população caiu por terra. Ela apenas não existe. Esta é apenas uma realidade antiga. Então, senhores, pelo menos superem as diferenças e pensem no bem maior. Ou rasguem os juramentos.