Centro de Eventos sem ilusões

Não esperem o Centro de Eventos de Balneário Camboriú funcionando a pleno vapor este ano. Quem sabe nem em 2018. Tem muito chão pela frente. Talvez em 2019. Em 2020 é certo.

As razões são inferidas de conversa com o secretário de Turismo de SC, Leonel Pavan, mantido neste sábado, 15, durante a Festa dos Amigos, na Avenida Atlântica.

O secretário está com os pés no chão e evita a aventura de antecipar datas. Segundo ele, a parte arquitetônica, depois dos contratempos enfrentados no projeto, deverá ser concluída ainda este ano – novembro, em princípio. Porém, só agora se promove o estudo de viabilidade econômica, em cima do qual se ofertará a operação do CE para empresas do ramo de experiência nacional e até internacional. E este é outro ponto importante: o secretário está convicto de duas coisas: 1) o poder público deve ficar fora da gestão; 2) a direção do CE deve ser de uma empresa com envergadura e experiência forte e comprovada.

A falta do estudo de viabilidade econômica foi uma falha inicial, só agora corrigida. Sem ele, nada se poderia concretizar em uma eventual concessão. Afinal, oferecer o quê a quem possa se interessar, em termos de perspectivas e garantias de sucesso?

Outra coisa é o resto ou quase tudo o que complementa e garante o funcionamento efetivo: instalações elétricas, elevadores, divisórias, mobiliário, equipamentos eletrônicos, ar condicionado, instalações hidráulicas e outros detalhes. Coisas que só agora serão licitadas pela simples e boa razão de terem de se adaptar à estrutura pronta. Donde se pressupõe impossibilidade de funcionamento este ano ou ano de 2018. Quem sabe, ano vindouro ou 2019, com pequenos eventos. Grandes eventos só lá por 2020, como está previsto um grande congresso dos contabilistas brasileiros.

Na conversa, percebeu-se ter o secretário tudo nas mãos, sem surpresas, exceto por algum acidente de percurso ou imprevisto. Isso, por enquanto e à vista das medidas em andamento, é uma hipótese felizmente remota. Não impossível, mas remota.

Pavan afirmou querer evitar a imprevidência cometida na construção e inauguração do Centro de Eventos de Canasvieiras, em Florianópolis, erguido com uma perspectiva otimista demais, sem um estudo de viabilidade, administrado pelo poder público e hoje subutilizado, servindo de local para pequenas feiras ao invés de grandes eventos, como desejado na sua concepção.

Bom saber que não há fantasias em torno do funcionamento do nosso Centro de Eventos. Melhor assim. Um pouco de realidade não faz mal a ninguém.