FATMA embarga obras do Canal do Marambaia

Comentário de Isaque de Borba Correa no Facebook, sobre negativa da Fatma de permitir as obras de revitalização do Canal do Marambaia – leia-se tentativa de despoluir aquele local. Nenhuma surpresa. Diz Isaque:

“Soube hoje de um vereador que o diretor da EMASA justificou que a FATMA embargou as obras de revitalização da Lagoa do Canto da Praia, mal alcunhada de Canal do Marambaia, que gera entre outras essa sujeira ai. A Fatma tem um histórico suspeito. Autoriza desmatamentos colossais por ai. Mais que uma incoerência isso torna a Fatma uma instituição criminosa. Isso é hediondo pra mim. Impossível até, uma vez que ela era para estar promovendo a revitalização, fazendo projetos para isso. Eu achei inacreditável. E o poder público obedece a isso sem nenhum protesto. Eu botaria a boca no mundo e não aceitaria assim passivamente. A menos que eu não tivesse vontade política de resolver. Me abrigaria nessa desculpa. De qualquer forma, as duas hipóteses são revoltantes”.

Buenas, dizemos nós, surpresa só é pra quem perfilava-se na oposição e decantava facilidades na execução de uma obra. Simples demais, dizia-se. Basta querer. Está demonstrado que não. Não basta querer.

Só para registro, o sistema inteiro de coleta e tratamento de esgoto de Balneário Camboriú não possui a LAO (Licença Ambiental de Operação) desde sempre – 1982. E ninguém deu muita bola pra isso até o governo Piriquito – cujas tentativas de consegui-la também esbarraram em fantásticas condicionantes, uma atrás da outra, numa fieira imensurável de impossibilidades. Criou-se, neste aspecto, um anacronismo incrível: quando o sistema jogava 60% de bosta in natura de volta ao rio por incapacidade de tratamento (e isto durou, por baixo, 20 anos, até o funcionamento da nova ETE), nada se falava e nada se cobrava; nada se fiscalizava e nada se multava; e nada se embargava. Todas as dificuldades fiscalizatórias começaram e se acentuaram justamente no período em que as soluções começaram a ser aplicadas. Ou seja: a ausência não assustou ninguém e nem mobilizou ninguém, nem a Fatma; a presença de um serviço razoável foi combatida a ferro e fogo, como se demonstra agora, no Canal do Marambaia.

O governo atual, antes oposição, prova do próprio veneno e vê que, na verdade, os empecilhos são reais.

Mas, como se diz, são parceiros, amigos e correligionários do governo. A decisão de mudar deve ser determinada por força política lá em cima, em Floripa: tem? Tá na hora de mostrar.