Alargamento da praia

Nota da prefeitura:

Os empresários dos setores hoteleiro e gastronômico de Balneário Camboriú vão conhecer o projeto para revitalização e alargamento da faixa de areia da Praia Central.

A apresentação ficará por conta do prefeito Fabrício Oliveira, e está marcada para as 17 horas da próxima terça-feira, 26. O encontro acontece no Hotel Rieger e é aberto à imprensa.

Para o presidente do Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares de Balneário Camboriú (Sindisol), Alessandro Fondini, é importante a participação de todos os empresários no evento. "A atenção e colaboração da classe é fundamental, pois, somente assim, será possível compartilhar opiniões referentes à revitalização e ao alargamento da faixa de areia. Essa é a única maneira de sabermos como está, e qual é, a perspectiva do projeto que irá influenciar no futuro da nossa praia", comenta Fondini.

---

Seria ótimo ouvir o maior espectro social possível sobre um evento que vai impactar em toda a cidade. O plebiscito de 2001 já está vencido. Passados 16 anos, a população da cidade se somou muitas vezes, a estrutura urbana se alterou, as carências sociais e de mobilidade mudaram e se ampliaram, de modo que há muitas outras prioridades a serem resolvidas antes do engordamento da faixa de areia. Prioridades, aliás, que sofrerão reflexo com a obra.

Isto tudo além do fato de se colocar dúvida na sensatez da razão pela qual desejam impor o engordamento: a cidade pode viver sem isso. Pois não evitará ressacas (nem praias naturais de grande extensão de orla evitam, como Arroio do Silva, Balneário Rincão, Morro dos Conventos, Mar Grosso), pois quando o mar avança, ele avança por subir seu nível e não por se espichar. 

A isto tudo se soma a dúvida: a morfologia da praia será mantida? Poderá se tornar praia de tombo (mais funda)? E finalmente: quais os benefícios reais que isso trará para a cidade? É bom que possuam bons argumentos para justificar, porque proteger a orla não funciona por razões já elencadas e atrair mais turistas é desastroso como motivo: os turistas não se alojam na areia, mas na cidade, que já é entupida ao natural nas temporadas com pouca areia, sombra na praia, congestionamentos gigantescos, circulação comprometida, fila pra tudo.

Melhor seria cuidar da qualificação do turismo e dos equipamentos. A começar por um novo local para as noites de festas, como era a Barra Sul.