Coisas estranhas do estacionamento rotativo

A abertura dos envelopes e propostas da licitação para o estacionamento rotativo (Zona Azul) de Balneário Camboriú ficou para o dia 19 de dezembro. Seria ontem (7), mas houve mudança no edital (errata). O valor global mudou de R$ 2.242.123,60 para R$ 2.240.123,60 pelo período de seis (6) meses.

São 2.800 vagas previstas no sistema em todo o Centro – em toda a Avenida Brasil até a Rua 3900 (antes era até a 2000) e ao longo da Terceira Avenida até a Rua 3100, mais todas as transversais entre a Atlântica e a Terceira Avenida ou Avenida do Estado. Esta ampliação da abrangência é irreal, porque muitas das transversais são praticamente residenciais ou majoritariamente residenciais. Isso tem cara de sanha arrecadadora, apenas.

Mas línguas ferinas andam dizendo que, na real, as vagas são muito mais, talvez até o dobro, pois nenhum mapa informativo sobre elas está sendo divulgado, pra gente conferir sua veracidade.

O preço poderá chegar a R$ 2,20 por hora, o maior dentre todas as cidades da região, talvez do Estado.

Mas o que mais estranha e causa espécie nem é isto. É o fato de a empresa vencedora RECEBER valor fixo mensal por isto, independente de recebimentos das vagas ou não. Basta ler o edital. Por seis meses a empresa receberá R$ 2.240.123,50 – ou pouco mais de R$ 373.000,00 por mês, cobre dos ocupantes das vagas ou não. Confessamos nossa santa ignorância nisso: a empresa recebe e só o que cobrar do sistema vai pra Prefeitura? Por que não cobrar e viver disso, ao invés de receber dinheirinho certo todo mês, como era com as outras empresas? Quer dizer que se não cobrar ou deixar a fiscalização furar, tudo bem, o lucrinho mensal vem de qualquer jeito? Nossos dois neurônios estão confusos e agradeceriam uma boa explicação sobre isso. Coisa que até agora não aconteceu e tudo rola só nos sites oficiais, cujos escaninhos quem quiser tem que explorar, pois nada sai a lume.

E finalmente: se for assim (prefeitura pagando a grana mensal para a empresa e cobrando as vagas para repassar à prefeitura, estamos pagando duas vezes - espécie de bitributação. Ou seja: dos nossos tributos sai o montante direto para a empresa e ainda custeamos o estacionamento na hora de colocar o carro na vaga).