Balneário arrecadará 2,5 milhões de reais por dia em 2018

A Câmara aprovou a LOA (Lei Orçamentária Anual) de Balneário Camboriú. Orçamento fixado em R$ 883.168.325,50 para 2018. Ou R$ 73.597.354,58 por mês. Ou R$ 2.453.251,52 por dia. O município arrecadará num mês o que a Emasa arrecadará em um ano, pouco menos. Os duodécimos para a Câmara Municipal consumirão R$ 19 milhões. 

O orçamento se divide em Fiscal e da Seguridade Social. Esta é o conjunto de ações destinadas a assegurar o direito á saúde, à previdência social e à assistência social. 

É uma bela arrecadação, sem qualquer dúvida: R$ 73,6 milhões por mês e R$ 2,5 milhões por dia. Mas como sempre a questão não é arrecadar bem ou mal. É saber gerenciar o bolo. Muitas vezes de muito se faz pouco e de pouco se faz muito. Municípios brasileiros são um exemplo quando se debate a qualidade da educação. Os melhores estão no Ceará (os cinco primeiros). Nenhum grande município está entre os primeiros 50 melhores. Nem os mais ricos e prósperos.

O calcanhar de Aquiles de todos os governos é este: o gasto. No caso de Balneário Camboriú sabe-se do inchaço da máquina, detalhe conhecido e reconhecido e, no entanto, vívido e forte ainda, sem perspectivas da mudar. A tal reforma administrativa que seria o primeiro ato do prefeito Fabrício Oliveira, segundo ele mesmo declarou várias vezes antes e depois da posse, não é ainda sequer um arremedo. Além disso, está anunciado que o desempenho da arrecadação deste ano será um dos piores de todos os tempos. Quem sabe seja o sinal para enxugar a máquina.