Élcio na Amfri é uma esperança de mudar o foco

Eleita a nova diretoria da Amfri (Associação dos Municípios da Foz do Rio Itajaí): o novo presidente é Élcio Kuhnen (PMDB), de Camboriú; o vice é Fabrício Oliveira (PSB), de Balneário Camboriú e o segundo vice é Leonel José Martins (PSDB), de Balneário Piçarras.

Esteve presente o superintendente do BRDE (Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul.) em Santa Catarina, Nelson Ronnie dos Santos, que abordou as linhas de financiamento e convênios, que podem ser incluídas no Projeto InovAmfri. Na ocasião foram assinados dois termos: um de cooperação técnica entre o BRDE e a Itajaí Participações S.A., para execução de ações voltadas à implantação do distrito e do Centro de Inovação Regional e outro entre o Banco e a AMFRI, para execução de ações de qualificação da gestão pública municipal e de mobilidade urbana regional.

Os projetos parecem ótimos e constituem oportunidade de se mexer um pouco na inércia que até aqui imperou na região, em termos de desenvolvimento integrado. Nesse tempo todo, viveram-se gargalos pouco lisonjeiros, numa região tida e havida como das mais progressistas e bem aquinhoadas do Estado e até do Brasil. Aqui ainda temos poucos programas válidos de integração na saúde, no turismo, na educação, no transporte coletivo, no saneamento, pela falta de ação conjunta, seja dos municípios entre si, seja da própria Amfri, que muito teoriza a respeito e pouco faz. Não fosse assim, não teríamos, como temos hoje, sérios problemas não resolvidos em saneamento, a partir de uma discussão tola que bem revela o individualismo reinante - o aterro sanitário em disputa renhida entre os principais municípios sobre sua conveniência e responsabilidade de gestão. Se não chegam a um consenso pacífico em relação a isto (e a discussão vem de anos a fio), difícil acreditar que em outras situações se resolvam as coisas.

O transporte coletivo integrado é outro caso. Enquanto um município, individualmente, está decidido, o outro encrenca por pouco. E nada sai. Na saúde, podemos falar do Ruth Cardoso, segundo hospital de maior atendimento da região, para onde fluem pacientes de todo lado, está mal das pernas, à procura de uma solução. Tudo porque os municípios da Amfri, que o utilizam muito além das pactuações do SUS, não dão bola para eventual amparo financeiro. Porque fica mais fácil deixar nas costas de Balneário resolver e porque têm seus próprios hospitais deficientes para tratar. Enquanto não conseguem tratá-los, empurram com a barriga para o Ruth. E a Amfri, a quem caberia, pelo uníssono de prefeitos representados, resolver a situação, não conseguiu nem chegar perto disso. 

No turismo, as cidades vivem ensimesmadas com projetos que se estimulam dentro dos seus limites e não são tratados regionalmente, de forma integrada, para que todos ganhem. Vivem numa disputa surda por quem pode mais, chora menos. Sempre à procura de fantásticas estatísticas de frequência numérica de turistas entre uma temporada e outra. Priorizando quantidade, ao invés de qualidade - e ainda se regozijando com isso.

Quem sabe Élcio Kuhnen possa mudar isso, já que, inclusive, o seu município, durante 2017, não teve nenhum projeto discutido e muito menos aprovado pela Amfri. 

É sempre bom apostar no melhor para todos.


Diretoria da AMFRI 2017: 

Presidente – Elcio Rogério Kuhner (Camboriú)
Primeiro Vice-Presidente - Fabricio José Satiro de Oliveira (Balneário Camboriú)
Segundo Vice-Presidente - Leonel José Martins (Balneário Piçarras)

Conselho Fiscal Efetivo:

Volnei José Morastoni - Itajaí
Aquiles Jose Schneider da Costa – Penha
Érico de Oliveira – Ilhota
Emílio Vieira – Navegantes

Suplentes do Conselho Fiscal:

Emerson Luciano Stein – Porto Belo
Nilza Nilda Simas Ribeiro - Itapema
Marcos Pedro Veber – Luiz Alves
Ana Paula da Silva – Bombinhas