Marambaia é só a ponta do iceberg da poluição

Resumo de informações extraído da ata da reunião do dia 15 de fevereiro de 2018 do Grupo de Trabalho Voluntário Rio Marambaia. Indicativos essenciais do contexto: o Rio Marambaia é a ponta do iceberg e sua despoluição é um trabalho muito mais complexo do que se imagina. É esclarecedor ler:

O Projeto do Sistema de Esgoto de Balneário Camboriú é de 1980 quando havia na cidade apenas 21.800 habitantes. Agora a população fixa é de 135 mil habitantes com uma população flutuante de mais 200 mil habitantes.

O eng. Cesar Arenhart concluiu um TR - Termo de Referência -, visando a contratação de um projeto de revisão de todo o sistema de coleta e tratamento de esgoto de Balneário Camboriú (que tem mais de 30 anos), incluindo redes coletoras, emissários, estações elevatórias, entre outros dispositivos aplicados a este tipo de infraestrutura. Este projeto deverá dar atenção especial as sub-bacias sanitárias de contribuição de esgoto e um minucioso estudo de evolução das populações fixas e flutuantes em cada sub-bacia, respeitando-se os indicativos do Plano Diretor.

Este projeto é necessário, pois a situação de quase toda a cidade é caótica. Hoje, temos aproximadamente 300 quilômetros de rede de esgoto. O excesso de esgoto cai no Rio Marambaia, especialmente no verão e feriadões, quando temos maior fluxo de pessoas na cidade. Quando a Casan entregou o sistema, levou todos os projetos e ela não devolveu porque tem uma ação da Casan contra a Emasa. Esta reestruturação da rede de Esgoto deve ser feita por regiões, de forma independente.
O engenheiro Cesar Arenhart está convencido tecnicamente que se não reestruturar as redes de esgoto, não se conseguir[a salvar o Rio Marambaia. O engenheiro ficou impressionado com a precariedade da rede de esgoto e de drenagem de Balneário Camboriú. No final do ano, a Emasa precisou abrir o extravasor da Rua 1801 para o Rio Marambaia porque as ruas e calçadas começaram a alagar com esgoto.

A EMASA está na UTI: a empresa não possui um Manual de Operação da ETE - Estação de Tratamento de Esgoto. As 18 elevatórias necessitam da mobilização de um funcionário  indo de estação em estação para ver se estão funcionando. Jaraguá do Sul tem 138 elevatórias, tudo automatizado, com informações instantâneas, a um custo proporcionalmente muito menor que o de Balneário Camboriú.  

A Emasa já lançou um Termo de Referência - TR - para a execução dos serviços de limpeza do Marambaia (área fechada – março/2018): o rio nasce na Rua 2450 e passa inclusive por galerias por baixo de prédios até abrir na Rua 1801. A ideia é limpar toda a parte fechada do Rio Marambaia ainda este ano para melhorar a drenagem pluvial e também reduzir a poluição que está há anos nestas galerias.

E resumo, o Rio Marambaia é apenas a ponta do Iceberg e o projeto de despoluição é muito mais amplo e complexo que se imaginava.

(Não é da ata – é conclusão nossa): entende-se, pelo que está dito, que a mera retirada de detritos de dentro do canal não resolve absolutamente nada. Até o acúmulo retorna, pela constância de despejos no local e pela incapacidade de bloquear os locais desses despejos diários. É isso que entendemos do que lemos, s.m.j..

(FOTO: CELSO PEIXOTO)