AGENDA DO DIA 01/06/2018

Exportador e área social vão pagar a conta do diesel

O governo vai cortar a verba de várias áreas, incluindo saúde, educação, moradia e saneamento, reduzir programas de incentivo às empresas e cancelar despesas para bancar os R$ 13,5 bilhões necessários para o subsídio do preço do diesel, prometido aos caminhoneiros. Desse montante, R$ 9,5 bilhões virão de reservas financeiras e do corte de gastos sociais, como os R$ 135 milhões que deixarão de ir para o fortalecimento do SUS. Os outros R$ 4 bilhões sairão do “aperto” nas empresas. Só com a redução do Reintegra, programa que desonera exportadores, devem ser arrecadados R$ 2,27 bilhões neste ano. Outras medidas do Fisco afetam 39 setores que deixam de ter desoneração da folha, a indústria de bebidas, que não terá mais benefício para produzir concentrado para refrigerantes, e o setor químico, que perde regime especial de impostos. O pacote tributário deve garantir economia de R$ 16,23 bilhões em 2019. Ontem não havia mais bloqueios de caminhões nas estradas.

Analistas veem opções a subsídio

Especialistas avaliam que medidas sugeridas pelo Cade seriam mais eficazes para reduzir o preço dos combustíveis do que os subsídios ao diesel. As propostas incluem mudança no ICMS e postos sem frentistas e ampliariam a concorrência no setor.

Dez políticos fogem de pena com recurso no Supremo

Dez parlamentares condenados na Justiça continuam com mandato e não tiveram as penas executadas porque ainda têm recursos contra a decisão no STF. Eles são réus das ações penais que permanecem no Supremo mesmo após a restrição do foro. O caso mais antigo, do senador Valdir Raupp (MDB-RO), tramita desde 2003.

PT perde peso ao insistir em Lula

O PT paga um preço alto ao carregar um candidato fantasma na etapa pré-eleitoral. Ao insistir em Lula na disputa, o partido afasta aliados, confunde eleitores e reduz seu peso na cena política.

Taxa igual para rotativo do cartão

A partir desta sexta (1º), clientes inadimplentes no rotativo do cartão de crédito passam a pagar a mesma taxa de juros dos consumidores regulares. Em abril, uma resolução do Conselho Monetário Nacional (CMN) limitou e padronizou os juros para essa modalidade, regulamentando decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Pela nova regra, a taxa de juros do rotativo passa a ser única, tanto para inadimplentes quanto para adimplentes. Mas as instituições poderão cobrar multa e juros de mora, por atraso, como ocorre em qualquer outra operação de crédito. No caso de valores de crédito rotativo já parcelado, a taxa de juros deve ser a da operação de parcelamento.

Moreira demorou

O governador Eduardo Pinho Moreira está sendo acusado de ter sido lento e frágil na tomada de posição ante a greve dos caminhoneiros. Afirmam que, após agir, ele controlou a situação em vários pontos do Estado, menos no sul (região dele), onde só agora começa a ser liberado o tráfego de cargas, principalmente combustíveis, por ação de polícias e Exército.

Facultativo

Ponto facultativo, a rigor, significa que, se alguém quiser trabalhar, pode. Mas, como ninguém vai, não há expediente em nenhuma repartição. O nome “facultativo” é, portanto, uma hipocrisia ou apenas uma questão de semântica funcional. Trata-se, na verdade, de uma extensão de um feriado. Como se no Brasil houvesse poucos. Todas as repartições param, porém as demais atividades econômicas prosseguem normais. Só no Brasil.

Nove dias de descontrole

A paralisação dos caminhoneiros, a princípio forte e semelhante a uma grande revolução civil e social, acabou quase melancolicamente. Muitos dos que se estimularam a apoiá-la retiraram esse apoio quando perceberam um desvirtuamento da finalidade. No começo uma tese justa, foi tomada por aproveitadores com finalidade político-ideológica. Faltou consistência. Mas isso era manjado desde o começo. Cantei a pedra.