Canal Marambaia: tá difícil de resolver

O Grupo Rio Marambaia se reuniu na segunda-feira para tratar da Balneabilidade do Pontal Norte e recuperação do Rio Marambaia. Compareceram 22 moradores de Condomínios da região. Na oportunidade foi apresentada Proposta de Ações EMERGENCIAIS, para a recuperação da Balneabilidade da Praia do Pontal Norte e Revitalização do Rio Marambaia, no trecho abrangido pela atual fase de intervenção, entre as ruas 1911 e sua foz. As ações Emergenciais propostas foram:

1. Implantação da UTR Marambaia (Unidade de Tratamento das Águas de Afluentes do Rio Marambaia e das contribuições de drenagem existentes no trecho em que está aberto).

2. Identificação de parcerias para elaboração de folder para distribuição em condomínios, prédios, residências e estabelecimentos comerciais/industriais, igrejas, escolas, para a sensibilização quanto a proteção das águas e a correta instalação do sistema de esgotamento sanitário com a respectiva orientação de uso desta infraestrutura.

3. Programa de revegetalização das margens do Rio Marambaia, como medida a ser realizada pelos Moradores, de propriedades que fazem divisa com o Rio Marambaia. A princípio as ações foram aprovadas, porém decidiu-se prioritariamente o agendamento de reuniões com partes envolvidas e interessadas para a apresentação dos estudos preliminares, cujo montante de investimentos previstos para a UTR é da ordem de 11,0 milhões de reais.

São objeto destas reuniões: PREFEITO MUNICIPAL, SECRETARIA DE PLANEJAMENTO, EMASA, SINDUSCOM, SECOVI, CDL, ACIBALC, COMITÊ DE BACIA DO RIO CAMBORIÚ E ADJACENTES, CÂMARA DE VEREADORES. O propósito é sensibilizar os representantes do poder público e a sociedade organizada, quanto a necessidade do Projeto, destacando-se que o mesmo não impede e nem dispensa as demais ações que vem sendo praticadas ou mesmo já previstas pela EMASA quanto à fiscalização e correções de lançamentos indevidos de esgotos sanitários nas redes de drenagem pluvial.

O texto acima é da ata da reunião realizada, com pequenas correções e/ou restrições de trechos dispensáveis, permanecendo o essencial.

O que se percebe é que, passado um ano inteiro, ainda não se chegou a um consenso do que fazer. A tal ponto que, depois desse tempo todo, fala-se em "soluções emergenciais". O Grupo está fazendo o seu papel indutor, mas parece que os poderes constituídos não estão dando muita bola pra isso ou apenas não possuem cacife pra resolver, apesar das manifestações otimistas. Fato: o Marambaia continua praticamente no mesmo lugar como agente de poluição. Salvo melhor juízo e insistindo neste ponto de vista, nada indica que ter iniciado pela retirada do lodo tenha sido um caminho adequado, antes de identificar e corrigir os despejos indevidos.

As imagens mostradas aqui são algumas páginas do Projeto de Revitalização do Rio Marambaia, apresentado em Novembro de 2017. Confiram o que está dito e o que está projetado e concretizado.