Carlos Humberto assume culpa pela sua não eleição

O vice-prefeito de Balneário Camboriú, Carlos Humberto Metzner Silva, que concorreu à Assembleia Legislativa pelo PR, avaliou a campanha e a sua não eleição. Para ele, os votos da Amfri decepcionaram, houve traições e, principalmente, ele perdeu a oportunidade de marcar posição em favor do candidato Jair Bolsonaro o que, a seu ver, comprometeu o resultado final decisivamente, pois a sua campanha acabou numa ambiguidade danosa. "A culpa é minha", disse CH. De resto, afirmou terem os votos fora da Amfri correspondido às suas expectativas e disparou um número que, na sua avaliação, é também fatal: em Balneário Camboriú, 387 candidatos à Assembleia receberam votos. "Não há quem resista a essa pulverização; com isso os nossos nomes ficaram novamente de fora", finalizou Carlos Humberto.

Na entrevista concedida a este site, especialmente, Carlos Humberto faz essa avaliação e elenca outros dados da campanha. Segundo disse, vai avaliar com a família e sócios da conveniência de se dedicar ainda mais à política. "Vivo do meu trabalho, não de política, que faço apenas por ideal, mas preciso consultar com quem convivo, esposa, irmão, pai e sócios, para saber se vale a pena". Afirmou que vai descansar um pouco, na "ressaca pós eleição" e então manterá os contatos necessários.

Ele reconhece que será necessário, inclusive, reformular a estrutura partidária do PR na cidade, de modo a torná-lo mais competitivo, seja para agora, seja para 2020. Para isso, consultará Jorginho Melo, senador eleito pelo partido, transformado no líder máximo da legenda em SC.

Quanto ao segundo turno, vai de Bolsonaro. "PT e esquerda, jamais". Para o governo do Estado, vai avaliar - precisa saber os compromissos assumidos por cada um e, na realidade, conhecer melhor quem é o Comandante Moisés, com quem não tem qualquer conhecimento e cuja trajetória também desconhece.

Acompanhem a entrevista completa: