Cidade - RUTH CARDOSO EM PROCESSO DE DEFINIÇÃO DEFINITIVA

Nos últimos dias, pouco se vê de reclamações no atendimento do Hospital Ruth Cardoso. Por coincidência após o anúncio de mudança do prefeito Fabrício Oliveira, retirando a condição de regime pleno (porta aberta) e circunscrevendo apenas a moradores de Balneário Camboriú. Ainda restam mais quatro meses do prazo de 150 dias para a definição e já se percebe uma acomodação do sistema. 

Ainda há, por parte de residentes em municípios da região usuários do hospital algumas reclamações condenatórias, como se fosse obrigação de BC e não das suas próprias cidades dar-lhes encaminhamento devido para suas emergências e internações.

Depois de 11 anos de sérios problemas e despesas em maioria nas costas do município, finalmente o prefeito encontrou a saída mais correta. Já se disse aqui ser essa a norma que deveria vigir desde o início, no distante 2009. O hospital começou errado desde sua concepção arquitetônica, depois na sua inadequação sanitária e finalmente na sua abertura sem pronto socorro, sistema de esgoto, entorno inconcluso e definição da operação (100% SUS). 

Como se afirmou também aqui, errou-se sistematicamente pugnando por maior aporte financeiro dos municípios vizinhos. Se ocorresse, seria a ratificação do desastre, pois criaria uma obrigação e deixaria Balneário sem saída para qualquer outra alternativa, como a definida agora. Porque a trava do hospital não é, fundamentalmente, dinheiro ou fundos, mas espaço, estrutura física. Coisa que nem todo o dinheiro possível resolveria. Além do que é contraditório os municípios colocarem dinheiro no Ruth ao invés de em seus próprios hospitais ou sistemas de atendimento à saúde da população. O que houve, no curso desse imbroglio, foi que os municípios usuários deixaram o barco correr porque as consequências recaíam sobre Balneário Camboriú, acusado sempre nas mídias de eventuais falhas ou incapacidade de atendimento que eles próprios demonstraram o tempo inteiro.

E isto favorecerá dispor de mais verbas para o nosso atendimento primário. Hosanas.