Ciência e medicina rebatendo ciência e medicina: cloroquina e coronavírus

Só por vontade de trazer luz a um tema que continua incomodando - uso de cloroquina ou não; tratamento ideal para a pandemia e tudo o mais. Poderia trazer algumas matérias sobre lockdown e tais, mas acho o assunto meio antipático, além do termo em si (melhor seria abrasileirar logo e dizer "confinamento"; os pernósticos são muito chatos). Prefiro a abordagem sobre a cloroquina, sua eficiência para muitos males e sua dúvida em relação à Covid-19. Nenhuma certeza até aqui, só especulações até da classe médica. Autoridades nem se fala. Tudo jogando para a platéia política e ideológica de sua preferência, sem visar, em nenhum momento, a real vontade de se ajudar o povo.

Vou resumir:

A revista médica The Lancet publicou estudo com mais de 98 mil pacientes com Covid-19 hospitalizados. O desfecho clinico de 96032 pacientes foi analisado.
Sua conclusão principal foi que os 14 mil pacientes tratados com HCQ ou CQ, quando usadas isoladamente ou associadas a um antibiótico macrolídeo, redundou na diminuição da sobrevida hospitalar, aumento de arritmias cardíacas, tempo de internação no CTI e uso de ventilador mecânico. O grupo controle, não randomizado, foi de 81mil pacientes que não receberam o tratamento experimental. (Alfredo Guarischi)

Sobre isso, Alfredo Guarischi sentenciou:  a ciência precisa de metodologia para não falhar; os pesquisadores e as revistas médicas não deveriam ter pressa.

Alfredo Guarischi é autor de artigo publicado na revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, que pode ser acessado na íntegra aqui mesmo, no Portal Engeplus velho de guerra, sempre ligado em jornalismo claro e aberto:

(O QUE NÃO FOI PUBLICADO NA THE LANCET - ACESSE CLICANDO EM CIMA)

Pois se é para rebater cîência e medicina, melhor fazer isso com ciência e medicina. Nada de achismos.